O Cura, o Juiz e a Meretriz

Ideias

Em tempos que já lá vão, rezam os anais guardados na Torre do Tombo da memória popular, não havia terrinha portuguesa em que falhasse o terno chamada a título. Para o efeito do que escrevo, queria centrar-me nas atribuições da figura do Juiz. Enquadro o leitor, entretanto, nesses tempos afastados, numa mentalidade que persistiu até ’74, em certos, aspectos, ano a partir do qual começamos a contar a Nova História de Portugal. Das atribuições do Cura e da Meretriz nem valerá a pena falar, que são conhecidas e consensuais. Consta, porém, que fazia o padre mais do que pelas sebentas lhe ensinavam no seminário como obrigação, que atento se prestaria a todas as solteironas ou viúvas frescas que rezassem no altar da Senhora das Ânsias, e que muito ele acreditava que lhe era demandado vir em socorro de um Espírito Santo assoberbadíssimo, por virtuosa mulher que não tivesse como alcançar, senão por intervenção divina. À falta de melhor!.. Caricaturo, naturalmente, se bem que a traço...

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia