Correio do Minho

Braga,

- +

A origem e a evolução da viola vulgo Guitarra clássica

Melhorar o SNS com os profissionais de saúde

A origem e a evolução da viola vulgo Guitarra clássica

Escreve quem sabe

2019-05-08 às 06h00

Alfredo Machado Alfredo Machado

Há muita especulação sobre a verdadeira origem da viola “guitarra”. Muitos acreditam que o nome “guitarra” vem de “Kithara”.
A Khitara era um instrumento da Grécia antiga (provavelmente de origem asiática) que se desenvolveu a partir de phormix e consequentemente da Lyra. Podemos considera-la quase como uma versão profissional da Lyra mas ao contrário desta, que era um instrumento relativamente simples e popular a Kithara era um instrumento virtuoso e tocado só por profissionais com grande habilidade: os khitarodes. Apareciam para acompanhar danças, odes e músicas líricas, como sendo solistas em festas e banquetes.

Este instrumento continha duas mesas ressonantes planas ou ligeiramente ovaladas. As cordas eram presas através de uma barra no topo e na outra extremidade estavam seguras numa peça adaptada para a parte de trás, segundo mostram variadas pinturas tinha cerca de sete cordas. Há também quem afirma que foi este o instrumento que deu origem ás citaras.
Phormix é a mais antiga Lyra grega conhecida, provavelmente de origem mesopotâmica. Pelo que se sabe continha dois braços, uma caixa de ressonância semi circular e suportava quatro ou cinco cordas.
A citara é um instrumento que possui uma caixa de ressonância plana a frente e abaulada na parte de trás. Tinha uma correia para se pendurar ao ombro e era por norma, concebida com sete cordas. Aqui a mão direita servia para dedilhar as cordas enquanto a esquerda as abafava.

O principal motivo de desacordo em relação a verdadeira origem da guitarra, é a afirmação de que esta foi difundida pelos mouros. Quando os árabes chegaram a Península Ibérica, trouxeram consigo vários instrumentos musicais nunca antes vistos pelos Europeus, um dos quais o “oud ou ud” que pode ser considerado o pai dos instrumentos de agora que possuem cordas dedilhadas e um braço.
Oud ou ud cordofone em forma de meia pêra contém cinco cordas duplas e é distinguível pela ausência de trastes na escala. Há quem afirme que o seu nome tem significado árabe de “fino pedaço de madeira” que pode ser referente à palheta utilizada para tocar este instrumento como as finas tiras de madeira que eram usadas na sua construção. Estudos mais recentes no entretanto afirmam que ud é apenas a versão quase da palavra persa “rud” que significa corda ou instrumento de corda.

A chegada deste instrumento à Península Ibérica fez com que este local se tornasse o berço dos instrumentos de cordas dedilhadas. A partir daqui o oud foi se espalhando por toda a Europa é se transformar em Alaúde mais simples de tocar graçasà utilização de trastes e cordas simples.
Em muitos locais as guitarras são referenciadas com análogos dos alaúdes mas, ao contrário destes, as guitarras possuem uma caixa achatada e um braço bastante mais longo.
A partir do século XI aparecem as guitarras que nesta altura se apresentavam sob duas formas: a guitarra morisca e a guitarra latina.

A guitarra morisca é praticamente um alaúde contém um corpo redondo braço amplo, vários buracos sonoros geralmente tocado com dedos ou com palheta.
Guitarra latina esta é a que se aproxima mais com a guitarra dos dias de hoje, devido ao seu braço normal e apenas com uma abertura na caixa acústica.
Por volta do século XVIII assistiu-se a um enorme interesse pelos instrumentos de corda no seu reportório e consequentemente ao desenvolvimento destes instrumentos.
É a partir daqui que surge a guitarra barrroca que é ainda mais próxima da atual guitarra clássica.
A guitarra barrroca possui cinco ordens de cordas todas duplas menos a MI geralmente feitas de tripa e é ligeiramente mais leve e mais pequena que a guitarra moderna.
Aparece então a guitarra como hoje a conhecemos por volta do século XVIII.

Um dos maiores fatores de desenvolvimento deste instrumento foi o aparecimento da sexta corda Mi e a substituição das cordas duplas pelas seis cordas simples. Apesar de não se ter a certeza destas mudanças sabe-se que nos finais do século XVIII a guitarra era um instrumento dominante na Península Ibérica.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.