Correio do Minho

Braga, terça-feira

Dermatite Atópica: saiba se conhece a sua pele

Quadras de São João com imaginação

Voz à Saúde

2019-05-07 às 06h00

Joana Afonso

A Dermatite Atópica é uma doença inflamatória crónica da pele, também designada por Eczema. Frequentemente tem início durante a infância, ainda antes dos 5 anos de idade, mas cerca de 30% dos casos persistem na idade adulta. Estima-se que 2 a 5% da população geral seja afetada pela doença, valor que chega a ser de 15% nas crianças e adolescentes. Importa salientar que a Dermatite Atópica constitui um importante problema de saúde pública dado o seu impacto na qualidade de vida, levando a que a pessoa afetada nem consiga ir trabalhar. Na Europa, os doentes reportam uma média de 2,7 dias de absentismo laboral, por ano, devido à intensidade e imprevisibilidade da doença.

A causa exata da Dermatite Atópica não é conhecida. Na sua génese poderão estar envolvidos fenómenos de reatividade imunitária, sendo o componente hereditário também preponderante, tanto que se ambos os pais apresentarem uma condição atópica como asma, rinite alérgica ou mesmo dermatite, a probabilidade de um filho seu ser afetado chega a ser de 50%.
A doença manifesta-se na pele através de vermelhidão, edema (inchaço), prurido (comichão), xerose (secura), fissuras, crostas e lesões descamativas. Nos casos mais graves pode afetar mais de metade de toda a superfície corporal. Nas crianças a afeção é mais generalizada, sendo que, na idade adulta a localização preferencial envolve as mãos, os pés, as superfícies flexoras de ambos os membros e a região cervical. A pele, nestes locais, tende a tornar-se mais espessa, áspera e escurecida. É frequente o agravamento da Dermatite durante a noite, após o duche, aquando do contacto com fatores irritativos como o cloro das piscinas, durante ou após a prática de exercício físico e em situações de ansiedade e maior stress emocional. Além das consequências físicas a doença é, como referido, responsável pela deterioração da qualidade de vida, uma vez que, pode causar prejuízo da higiene do sono levando a maior dificuldade em adormecer e gerando despertares recorrentes devido ao prurido intenso, além de diminuição dos níveis de autoestima.

Na maioria dos casos o diagnóstico é clínico, ou seja, através do relato dos sintomas e da observação das lesões o médico conseguirá estabelecer o diagnóstico, sendo rara a necessidade de realizar testes cutâneos ou exames de sangue, cuja especificidade não é garantida. Por esta razão, em caso de dúvida não hesite em contactar o seu Médico de Família, pois ele saberá como o orientar.

O tratamento passa pelo controlo dos sintomas e não pela cura, uma vez que se trata de uma doença crónica. Nos casos mais leves de Dermatite Atópica o controlo poderá passar por cuidados diários que incluam a evicção do contacto com substâncias que irritem a pele, a promoção de banhos rápidos e de água morna para evitar a desidratação da pele, a aplicação diária de cremes hidratantes ou emolientes, preferencialmente, no final do banho, a secagem da pele sem o ato de esfregar, bem como a aplicação dos restantes produtos de higiene adaptados às características deste tipo de pele. As unhas devem estar sempre bem aparadas e limpas para evitar infeções microbianas secundárias ao ato de coçar. Deve dar preferência a roupas de fibras naturais como o algodão caso estejam em contacto direto com a pele. O excesso de calor e as mudanças bruscas de temperatura podem ser fatores de agravamento, razão pela qual, deve evitar aquecedores e o uso excessivo de cobertores na cama, devendo manter o quarto sempre bem arejado. Os ácaros (pó) são também prejudiciais pelo que deve remover tapetes, alcatifas, cortinas, peluches e tudo o que favoreça a acumulação de pó.

Existem cremes com cortisona ou outros imunomoduladores que poderão estar indicados mas que só terão indicação mediante a orientação do seu médico. Nos casos mais graves poderá haver necessidade de associar terapêutica oral sistémica. A fototerapia controlada e apenas em ambiente hospitalar poderá também estar indicada.
Lembre-se, cuide de Si! Cuide da Sua saúde!

Deixa o teu comentário

Últimas Voz à Saúde

18 Junho 2019

Obesidade Infantil

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.