Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +

Mitos na doença mental

Muro de Gelo

Mitos na doença mental

Escreve quem sabe

2019-10-22 às 06h00

Joana Silva Joana Silva

Cada pessoa tem uma identidade própria e uma forma específica de ver o mundo. Não há formas certas ou erradas de ver realidades. Tal como diz, o ditado popular, cada qual é cada qual. Nem mais nem menos. Sem pontos nem interrogações ou exclamações. Mas a vida, por vezes, impõe rótulos que ninguém deseja ter, sobretudo,a doença mental. Ao contrário de uma doença física, que se vê ( ex. se tem febre, um hematoma etc.) a doença mental nem sempre. Mas ao contrário do que se possa pensar, a saúde mental condiciona a saúde física. Quer-se com isto dizer que, quando não se está bem psicologicamente (ex. desgosto intenso na morte de um filho), o físico também se ressente em muitas patologias físicas (ex. doença auto-imune, ou cancro).

Existe uma forte relação de causalidade e efeito. Frequentemente o portador de doença mental é tido e interpretado como um “fingidor”, aquele/a que faz “fita” porque deseja alguma coisa. Isso não é verdade. É comum. Doença mental não é , nem será nunca sinónimo de preguiça, agressividade, manipulação, invenções entre outros apsetos. As pessoas com patologia mental são na maioria das vezes, pessoas especiais e boas pessoas que apenas estão “cansadas” de lutar face às adversidades da vida. Doença mental é sinónimo de uma desarmonia nas emoções, que por sua vez, vão interferir nos comportamentos e ações do dia-à-dia. Há quem afirme que a doença mental é causada pela própria pessoa, uma espécie de cisma psicológica. É uma falácia, porque está comprovado que o próprio meio pode adoecer, e quando nos referimos ao meio referimos a famílias, a trabalho ou até à rede social de amizades. Desengane-se quem afirme que os problemas de saúde mental não tem cura e alguns casos o tratamento demora anos e anos a fio. Não é um pensamento correto. Quanto mais cedo forem reconhecidos ou diagnosticados e tratados mais rápida é a cura. Assim como também cada caso é um caso, e cada problema de saúde mental tem o seu timing de análise, intervenção e recuperação.

Não há milagres se o próprio intervenientes não reconhecer que precisa de ajuda na patologia a tratar. “Deixar andar” só piora ainda mais a situação, ao ponto de se tornar (em alguns casos) uma situação limite. Há situações efetivamente que são mais rápidas de resolução, outras demoram mais. Vivemos numa sociedade que cada vez é mais comum e frequente a pessoa ter vergonha e medo de mostrar as suas fragilidades. Há pessoas que se mostram fortes com o receio de serem elas próprias e reconhecerem que precisam de ajuda. Ser fraco/a é aquele que aguenta e autodestrói-se e desgasta-se ao longo do tempo e cada vez definha... Fortes são os que dizem, basta ao sofrimento e tomam uma atitude positiva. Ter uma doença mental não significa que se está maluco, ou “o que os outros vão pensar de mim?” significa que apenas se precisa de tratamento para estabilizar as emoções como qualquer outra doença física.

Há muitos profissionais de saúde que também são acometidos pela doença mental. Nem todas as prescrições medicas no âmbito da saúde mental são para toda a vida. O que faz criar dependência é a automedicação, “a que o amigo toma”, ou “do que faz melhor”, ou “de que resultou”. De prestar atenção ao efeito “ioiô”, quando a pessoa pára de tomar porque se sente melhor e depois fica novamente reativa ou doente (volta a ficar pior) e tem de começar tudo de novo e com novas prescrições. Uma doença mental precisa de acompanhamento especializado, muitas vezes, de duas especialidades da saúde, psiquiatria e psicologia. Um excelente acompanhamento pressupõe muitas vezes a prescrição de medicamentos (psiquiatria) e da externalização dos problemas onde muitas vezes são analisados desde a infância até ao momento atual, todos os problemas e bloqueios emocionais. Assim como muitas vezes não só, a medicação é suficiente, também muitas vezes, não é só suficiente abordar o que preocupa, entristece, desmotiva e bloqueia a pessoa. Se conhece alguém que passa por este processo de patologia mental, não desmotive, incentive!

Levante e não derrube. Se tem uma doença mental e luta pela sua recuperação, acredite e confie, tudo vai correr bem. É uma fase menos boa pela qual está a passar.
Neste momento, se a sua vida se um texto se tratasse está na virgula, e na virgula da sua vida, avance!.. O seu final feliz , aquele que deseja com o coração, está à sua espera.?

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.