Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Os primeiros autocarros suburbanos municipalizados de Braga

6.º Festival de Órgão – Um retorno às novidades da tradição musical

Ideias

2015-02-15 às 06h00

Joaquim da Silva Gomes

Os primeiros transportes coletivos de passageiros a servir as populações das freguesias rurais do concelho de Braga começaram a circular nas vésperas do S. João de 1948.
A entrada deste serviço foi destacada por vários sectores da sociedade, uma vez que Braga era uma cidade profundamente rural, mesmo no seu perímetro urbano. Basta recordar que em 1948, em pleno centro da cidade, os campos agrícolas circundavam o perímetro urbano: Lamaçães, grande parte de S. Victor e de S. Vicente, S. Lázaro ou Maximinos estavam marcadas por estas paisagens.

Neles, a prática da agricultura era tão rudimentar, que provocava constantes queixas populares. Basta referir que nestas freguesias, nos campos agrícolas, os animais passeavam livremente, especialmente as galinhas, os coelhos, as vacas e os porcos. Estes animais provocavam cheiros que em determinadas épocas do ano tornavam-se quase insuportáveis. Por causa disso, as habitações e as ruas do centro eram frequentemente atingidas por insetos de várias espécies, que emanavam dos animais e dos campos.

Se estas freguesias tinham esta caraterização, imaginemos as freguesias mais distantes do centro da cidade! Foi por isso que a inauguração destes transportes coletivos de passageiros atingiu ainda maior importância. Tratou-se de uma carreira de Suburbanos dos Serviços Municipalizados de Braga, composta por dois autocarros, que fazia a ligação entre o Bairro Duarte Pacheco e o Aeródromo de Palmeira, efetuando duas viagens por dia. Este percurso passava pelas freguesias de Frossos, Merelim, Palmeira, Panóias e Real.

Braga estava servida por transportes coletivos de passageiros no seu perímetro urbano e daí até ao Bom Jesus do Monte, primeiro por carros americanos e depois por elétricos, mas as populações das freguesias rurais continuavam isoladas do centro da cidade, o que lhe provocava enormes transtornos.

Foi desta forma que o município de Braga decidiu criar as primeiras carreiras coletivas de passageiros, a operar fora do concelho. E o momento da inauguração, que ocorreu no dia 20 de junho de 1948, foi marcada por uma grande festividade, quer das autoridades locais, quer das populações destas freguesias.

Nesse dia 20 de junho, os dois autocarros saíram dos Paços do Município às 10 horas da manhã; subiram a Rua do Souto, passaram pelo Largo Barão de S. Martinho, desceram a então Avenida Salazar, circundaram a rotunda Marechal Carmona e pararam junto à capela de Santo Adrião.

Nessa capela realizou-se uma cerimónia religiosa, sempre marcada pela euforia popular. Finda a cerimónia, os dois autocarros e respetivos convidados seguiram o percurso, passando pela Avenida Marechal Gomes da Costa, seguindo até à Arcada. Depois, seguiram pelo Campo da Vinha, desceram a rua da Boavista e entraram na estrada nacional que os ligava a Palmeira. Antes de Palmeira, o percurso foi efetuado pelas freguesias de Real, Frossos, Panóias, Merelim, até chegarem ao Aeródromo de Palmeira.

Em todo esse percurso, as populações concentravam-se nos passeios (quando existiam) e nas janelas e varandas das casas, acenando e atirando flores. Nas freguesias por onde estes autocarros seguiram, as autoridades civis e religiosas locais agradeceram ao Presidente da Câmara Municipal, Francisco Machado Owen, o serviço de transportes agora colocado ao seu dispor. Em Panóias, foi difícil os autocarros circularem, tal era a quantidade de pessoas ali presentes. Em Merelim, tocaram os sinos, atiraram-se flores e ouviram-se fortes aplausos.

Depois de darem uma volta ao Aeródromo de Palmeira, os dois autocarros e respetivos convidados regressaram à cidade, seguindo pela zona da Confeiteira, depois Infias, descendo de seguida a rua de Santa Margarida, para passarem em frente à Arcada e desceram a rua dos Pelames.
Este dia, vésperas de S. João, foi memorável para estas populações, pois passarem a ter a possibilidade de se deslocarem com mais comodidade e rapidez ao centro da cidade.

Dois anos após a inauguração, entraram em serviço mais dois autocarros, dobrando a frota de veículos para quatro. Esta informação foi conhecida no momento em que foi realizada uma sessão de homenagem à Câmara Municipal de Braga, no dia 20 de Junho de 1950. Esta homenagem foi protagonizada pelas Juntas de Freguesia da área geográfica servida por estes transportes e a sessão realizou-se na Câmara Municipal.

Nessa ocasião, foram enviadas mensagens ao Presidente do Conselho de Ministros, ao Ministro do Comércio e ao Diretor Geral da Viação e Trânsito, felicitando-os pelo excecional melhoramento que as populações rurais de Braga usufruem desde há dois anos.
No momento em que o concelho de Braga está bem servido de transportes públicos, nada melhor do que recordar como aqui se viajava há pouco mais de 60 anos!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.