Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Projeto Global de Autoavaliação da Escola Secundária de Vila Verde

Retratos da emigração portuguesa na literatura infanto-juvenil

Projeto Global de Autoavaliação  da Escola Secundária de Vila Verde

Voz às Escolas

2019-11-27 às 06h00

João Graça João Graça

No ano letivo de 2017 deu-se início à implementação no projeto PAASA - Projeto de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico, tendo um grupo de professores da escola frequentado formação na referida área. Foi o primeiro passo para a concretização de um processo estruturado de autoavaliação da escola.
Recentemente foi divulgado pela IGEC o Terceiro Ciclo de Avaliação Externa das Escolas: 2018-(...), assente num novo quadro de referência, que se desenvolve em quatro domínios – autoavaliação, Liderança e Gestão, Prestação do Serviço Educativo e Resultados, com priorizações distintas do anterior ciclo e com uma metodologia de trabalho que constará de: aplicação de questionários de satisfação (a alunos, pais e encarregados de educação, docentes e não docentes); análise documental; análise de informação estatística relativa à escola, aos resultados escolares e aos resultados sociais; observação da prática educativa e letiva; observação direta (instalações, equipamentos e ambientes educativos) e entrevistas de grupo (membros representativos da comunidade educativa).
Estou certo de que as dinâmicas de escola devem assentar, claramente, nesta nova priorização, onde a capacidade da escola se autoavaliar surge como prioridade essencial. Esta nova evidência traz responsabilidades, no sentido de olhar o processo de autoavaliação da escola como um trabalho de introspeção e de autorregulação. A escola deve autorregular-se e não estar dependente de regulação externa, uma vez que, desta forma, iríamos perder o potencial existente em todos os atores educativos. Isto é, os atores devem desenvolver competências, promover a interação e diálogo, de forma a gerar uma responsabilização na resolução dos seus problemas.
Assim, a escola deve ter a capacidade de refletir e, por conseguinte, de se autotransformar.
Como refere Alarcão (2001) pretende-se uma escola que “se pensa a si própria”, que jamais ignora os seus problemas, bem pelo contrário, envolve todos nos seus processos de tomada de decisão e de resolução, aproveitando essa envolvente para obter aprendizagem. O objetivo não é pensar-se a escola apenas no sentido dos seus resultados, mas pensar nos processos: liderança, canais de comunicação, ensino-aprendizagem, a gestão curricular, etc.
Para dar sequência a esta nova dinâmica de autoavaliação, assente na participação e responsabilização de todos os atores educativos, realizou-se uma reunião de apresentação do Projeto Global de Autoavaliação da Escola Secundária de Vila Verde, no passado dia 8 de novembro, que contou com a participação do Diretor e da sua equipa, da Presidente do Conselho Geral, membros da Equipa de Autoavaliação, Coordenadores de Departamento e de Diretores de Turma, Responsáveis de Grupo, Encarregado Operacional, Presidente da Associação de Pais e Encarregados de Educação, Presidente e Vice-Presidente da Associação de Estudantes e Presidente da Assembleia de Delegados. Esta sessão de trabalho contou com a presença do Consultor Externo da escola para o processo de autoavaliação, Dr. João Sérgio Rodrigues.
É nesta lógica de “Uma Escola faz-se com TODOS” que este processo introspetivo da autoavaliação se deve desenvolver.

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

16 Janeiro 2020

Heróis na sombra

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.