Correio do Minho

Braga,

- +

Semana Europeia da Mobilidade - 16 a 22 de Setembro

O amor nos tempos da cibernética

Escreve quem sabe

2014-09-13 às 06h00

Ana Cristina Costa Ana Cristina Costa

Foi determinado pela União Europeia que, de 16 a 22 de setembro, se abordaria, de uma forma mais ou menos intensa, a questão da mobilidade de pessoas e bens, de forma a sensibilizar os cidadãos para a questão da sustentabilidade. Assim, é natural que muitos concelhos tenham aderido e estejam a realizar atividades diversas, que fechem a circulação automóvel em alguns locais (nomeadamente no dia 22, Dia Europeu sem Carros) e que o tema esteja na ordem do dia. Veja então como poderá colaborar, não só neste período mas, de uma forma mais alargada, todo o ano.

Ora vamos por partes. Quais são dos problemas mais apontados pelos cidadãos residentes nas cidades? Ruído, poluição do ar, falta de áreas verdes… estão entre eles… e se virmos bem, estão todos relacionados, pelo menos parcialmente, com a excessiva utilização dos automóveis, que caracteriza a nossa sociedade.

Assim, deveremos informar-nos dos transportes públicos existentes, trocar impressões com os colegas de trabalho e com os vizinhos visando a partilha de viaturas no trajeto diário casa/ trabalho. Quando vamos a alguma formação ou seminário, informar-nos se mais alguém da mesma entidade vai a esse mesmo evento e partilhar viaturas.

Quantas vezes, as desculpas dos pais para andarem em viatura própria é a necessidade de levar as crianças ao jardim-de-infância ou à escola? Há dentro dessas instituições de ensino serviços de transporte de que os pais podem usufruir e há mesmo transportes especializados de crianças. Há sempre a hipótese de se informarem na secretaria dessas escolas de outras famílias que residam próximo da sua habitação e acertar com elas o transporte alternado das crianças.

Pode ainda fazer um pedibus, ie, dois adultos que acompanham um grupo de crianças, a pé, podendo ser feito de forma rotativa, ao longo da semana, entre os pais, tios avós, irmãos mais velhos…
Uma alternativa viável para quem reside perto do local de trabalho é ir a pé ou de bicicleta, agora que cada vez mais há estacionamentos para bicicletas.

Se realmente tiver de utilizar o automóvel, utilize-se de forma o mais sustentável possível, fazendo uma eco-condução, que permite reduzir o consumo de energia em cerca de 15%:

1. Reduza o peso da carga - poupará combustível e, portanto, dinheiro e, com menos peso na parte traseira por ter esvaziado a bagageira, é mais fácil manobrar a viatura.
2. Retire os suportes do tejadilho - as caixas de carga e os suportes para tejadilho aumentam a resistência aerodinâmica, tornando o automóvel mais lento, portanto, se não estiver a utilizá-los, retire-os.
3. Desligue o motor quando o veículo estiver parado - quando esperar alguém, num engarrafamento ou numa passagem de nível do comboio.
4. Verifique a pressão dos pneus - pneus com baixa pressão provocam uma maior resistência, e os motores têm de se esforçar, consumindo, portanto, mais combustível. Por outro lado, com excesso de pressão, oferecem uma menor aderência à estrada, reduzindo a segurança. O desgaste dos pneus também é maior no caso de pressão excessiva ou insuficiente.
5. Reduza a utilização do ar condicionado - pois implica maior consumo, abra antes a janela. No entanto, se viajar a uma velocidade elevada, a janela aberta consumirá mais ainda; nesse caso opte pelo AC.
6. Limite a utilização de aparelhos electrónicos - os dispositivos eléctricos com ficha consomem combustível.
7. Conduza de forma suave - a técnica do pára-arranca consome mais combustível e desgasta mais rapidamente alguns dos componentes do veículo. Tente antecipar os acontecimentos alargando a visão no horizonte o máximo possível, assim manterá uma velocidade constante.
8. Utilize bem a caixa de velocidades - o momento em que muda de velocidade afecta a eficiência da condução. O ponto óptimo da mudança nos automóveis a gasóleo situa-se por volta das 2000 rpm e o dos veículos a gasolina, pelas 2500 rpm. Privilegie a utilização de mudanças mais altas.
9. Faça uma revisão - com o uso (e por vezes, mesmo sem ele) há peças que têm de ser substituídas, os tubos e os filtros precisam de ser limpos.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.