Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Tenho os nervos à flor da pele!

População da União Europeia sem Facebook? Parece mas...não

Voz à Saúde

2016-12-06 às 06h00

Sofia Melo

O ser humano é um ser complexo, pois tudo o que o rodeia pode interferir de forma positiva ou negativa na sua vida diária e consequentemente na sua saúde. Neste contexto, a ansiedade ocasional é um comportamento que faz parte do normal funcionamento do ser humano quando este é confrontado com situações de maior stress, nomeadamente problemas laborais, antes de momentos de avaliação ou na tomada de decisões importantes.

Contudo, os transtornos de ansiedade, por vezes, envolvem mais do que preocupações temporárias e tornam-se uma situação persistente e excessiva que interfere seriamente com as atividades da vida diária: entre as questões mais frequentes, podem dar-se como exemplo o desempenho laboral e relacionamentos.

Embora haja diversos tipos de transtornos de ansiedade, destaco o de Ansiedade Generalizada, a qual se caracteriza por uma intensidade, duração ou frequência da ansiedade e preocupação desproporcional ao impacto do evento vivenciado. Assim, a ansiedade é patológica quando as preocupações são excessivas ao ponto de interferirem no quotidiano da pessoa, com prejuízo das suas funções profissionais e sociais; as preocupações são intensas, causam angústia, têm uma duração prolongada e, aparentemente, sem fatores precipitantes que o justifiquem e são acompanhadas por sintomas físicos - inquietação ou sensação de estar com os nervos à flor da pele, fatigabilidade, dificuldade em concentrar-se, irritabilidade, tensão muscular e perturbação do sono.

O conteúdo da preocupação, geralmente, varia conforme a faixa etária da pessoa. Assim, as crianças e adolescentes centram os motivos de ansiedade em relação à escola e os adultos relativamente à família e à sua saúde.
Para além disto, as mulheres têm também mais probabilidade do que os homens de sofrerem de transtorno de ansiedade generalizada, tendo o seu pico de diagnóstico durante a meia-idade.
É importante salientar que o diagnóstico desta patologia é clínico. Por isso, caso ache que apresenta este tipo de sintomatologia procure o seu médico assistente para o aconselhar.
Cuide de si! Cuide da sua Saúde!

Deixa o teu comentário

Últimas Voz à Saúde

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.