Bombeiros Voluntários de Monção assinalam 117 anos de vida

Alto Minho

autor

Miguel Viana

contactar num. de artigos 1745

Os Bombeiros Voluntários de Monção assinalam hoje os 117 anos de existência. A data é assinalada com uma rumagem ao cemitério, uma eucaristia e um jantar convívio.
As comemorações, no entanto, começaram ontem com uma exposição de meios na Praça Deu-la-Deu Martins. em pleno centro da vila. Uma forma da corporação se dar a conhecer à comunidade.
“É uma instituição que serve a nossa comunidade de forma excelente. Podemos estar orgulhosos desta corporação”, disse, na abertura da exposição, Augusto Domingues, presidente da Câmara Municipal de Monção.
O autarca fez questão de referir que o apoio aos bombeiros é uma das principais preocupações do actual executivo. “O nosso orçamento tem como priodade o seu apoio. Estamos a falar de muito perto de 10 por cento do nosso orçamento, e quando falamos de um orçamento reak e 15 milhões, estamos a falar de cerca de 1,5 milhões que a câmara investe anualmente nesta gente”, destacou Augusto Domingues.
O edil monçanense destacou ainda a rapidez e eficiência do serviço prestado pelos Bombeiros Voluntários de Monção nas mais diversas vertentes.
O presidente da direcção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Monção, Paulo Rocha, apontou também o desejo de servir dos ‘soldados da paz’ monçanenses, apesar das várias restrições de ordem financeira. Restrições essas que colocam alguns desafios à corporação. “As viaturas estão todas a atingir um milhão de quilómetros. Necessitamos de viaturas. Estamos a tentar comprar uma viatura para transporte de doentes não emergentes que custa cerca de 30 mil euros. Vamos ter que fazer engenharia financeira”, referiu Paulo Rocha.
A direcção dos bombeiros já está a contactar várias empresas para ajudarem neste projecto, mas poderá contar também com a colaboração da autarquia. “Não será por falta de apoio que não cumprirão esse desejo. A câmara está atenta para que não falte financiamento para as necessidades”, assegurou Augusto Domingues.
Outro dos desafios vividos pela corporação é a falta de voluntários. “O corpo activo é composto por 25 bombeiros assalariados e 25 voluntários. É difícil termos mais voluntários porque muitos vão estudar para fora e os jovens que cá ficam não vêm nisto forma de vida. Temos muito poucos voluntários”, disse Paulo Rocha.
Uma situação que também preocupa a autarquia que pensa já em incentivos. “”Lançaram o desafio de gratuitidade de serviços municipais para os bombeiros e estamos a pensar nessa situação”, salientou Augusto Domingues, autarca de Monção.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia