Absolvidos estudantes da UMinho arguidos na queda de muro que matou colegas

Casos do Dia

autor

Redacção

contactar num. de artigos 33967

O Tribunal Judicial de Braga absolveu ontem quatro estudantes que estavam acusados de homicídio negligente, por, durante uma acção de praxe, terem subido a um muro que ruiu e matou três colegas, naquela cidade, em Abril de 2014.
Para o tribunal, não ficou provado que a queda do muro — uma peça de mobiliário urbano que até 2012 servira para albergar caixas de correio de um prédio — tenha caído exclusivamente pelo facto de os arguidos terem ido para cima dele.

Da mesma forma, o tribunal não deu como provado que os arguidos tenham saltado em cima do muro e que devessem ter previsto o perigo de queda do mesmo.
O tribunal sublinhou ainda que o muro não tinha alicerces e que o carteiro que ali prestava serviço já tinha chamado à atenção para o perigo que ele constituía.
Em 2012, o condomínio decidiu instalar as caixas de correio noutro local, mas a estrutura continuou ali de pé, sem ter sido alvo de qualquer intervenção.

Num tom emocionado, a juíza titular do processo deixou um voto de pesar às famílias das vítimas, mostrando-se igualmente sensível à situação dos arguidos, a quem leu o Soneto da Separação, de Vinicius de Moraes.

A juíza disse ainda que este foi um “julgamento inédito” na sua vida profissional, pelo facto de arguidos e testemunhas de acusação terem sido “coincidentes” nas declarações que prestaram.
A 23 de Abril de 2014, em Braga, para celebrar uma vitória numa “guerra de cursos”, no âmbito de uma acção de praxe, quatro alunos da Universidade do Minho foram para cima de uma estrutura que se encontrava na via pública e que em tempos servira para albergar caixas de correio.

Parecida com uma paragem de autocarros, com alvenaria de tijolo e uma pala em betão, a estrutura ruiu, matando três estudantes que estavam na base, também a celebrar.
O advogado das famílias das vítimas disse que “os principais responsáveis pela tragédia” não foram levados a julgamento, para vincar que no banco dos réus deveriam estar o administrador do condomínio servido por aquelas caixas de correio e um fiscal e um técnico da Câmara de Braga.
Sublinhou que, em 2010, o carteiro que ali prestava serviço já tinha chamado à atenção dos seus superiores para a “inclinação e a degradação” da estrutura.

“O condomínio contactou a Câmara e a Câmara deu 15 dias ao condomínio para garantir a segurança da estrutura, mas a verdade é que ninguém fez nada”, criticou.
Adiantou que irá avançar com uma acção civil contra a Câmara e o condomínio.
O administrador do condomínio e os dois elementos da Câmara chegaram a ser arguidos no processo mas pediram a abertura de instrução, tendo a juíza decidido não os levar a julgamento.

Na altura, a juíza de instrução admitiu que, de alguma forma, os três beneficiaram do desaparecimento, na Câmara de Braga, do processo físico relativo àquele local.
Ficou, assim, por saber qual foi o teor completo da troca de correspondência entre a Câmara e o administrador do condomínio sobre a alegada falta de segurança do muro e que diligências foram feitas de parte a parte.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia