SC Braga: Evocar alma Guerreira para quebrar maldição germânica

Desporto

autor

Joana Russo Belo

contactar num. de artigos 1246

Olhos postos em quebrar uma espécie de maldição germânica. O SC Braga parte para a Alemanha imbuído num espírito guerreiro que permita entrar com o pé direito na fase de grupos, diante do Hoffenheim, na estreia no Grupo C da Liga Europa.
Na bagagem até Sinsheim, casa do emblema alemão - num voo que segue do Porto para Frankfurt - vai uma elevada dose de optimismo e prestígio europeu, mas pela frente vai estar um adversário forte, que não facilitará a vida dos bracarenses.

Os dois clubes vão defrontar-se pela primeira vez nas competições europeias e este vai ser mesmo o primeiro encontro do Hoffenheim com um clube português. Equipa alemã espera que à terceira seja de vez e que consiga vencer o primeiro desafio nas competições europeias, depois de eliminado pelo Liverpool no play-off da Champions.

Do lado bracarense, a estatística não ajuda à antevisão, já que o SC Braga não conseguiu vencer nenhum dos seis encontros disputados com clubes da Bundesliga - Wolfsburg, Werder Bremen, Bayern Munique e Schalke 04, somando dois empates e quatro derrotas -, tendo saído derrotado dos dois jogos anteriores realizados na Alemanha, sem marcar qualquer golo (Werder Bremen, em 2008, e Schalke 04, em 1997).

Apesar de as viagens à Alemanha nunca terem ditado bons resultados, o SC Braga não perdeu nenhum dos quatro jogos europeus disputados esta época (três vitórias e um empate) e não saiu derrotado dos últimos quatro desafios disputados como visitante nas competições europeias (uma vitória e três empates). Guerreiros iniciam a Liga Europa numa altura algo delicada, depois de um início tremido no campeonato nacional, em que já levam três derrotas em cinco rondas.

Hoffenheim de exigência máxima

A aventura europeia do SC Braga começa na Alemanha, diante do Hoffenheim, clube centenário de Sinsheim, que se apresenta como um verdadeiro caso de estudo, depois de apenas se ter estreado na Bundesliga, em 2008, e de, na virada do milénio, estar a disputar a quinta divisão alemã.
Alemães de gema, foram cimentando o lugar no topo do futebol germânico até que, na temporada 2015/16, um dia depois do treinador Huub Stevens ter pedido demissão por motivos de saúde, Julian Nagelsmann assumiu o comando da equipa.

Aos 28 anos - depois de uma curta carreira futebolística e de passagem pelos sub-19 - Nagelsmann chegava à Bundesliga para fazer história: o Hoffenheim garantiu a permanência no principal escalão e, na temporada passada, deixou a Europa de queixo caído com o quarto lugar na Bundesliga. Estreia na Champions este ano foi frente ao Liverpool, mas a equipa acabou relegada para a Liga Europa.

Plantel, trajecto dos últimos anos e sistema táctico de Julian Nagelsmann - num 3-5-2 caracterizado por uma boa reacção à perda de bola e um fortíssimo jogo interior - obrigam a exigência máxima dos guerreiros.
A nível interno, o Hoffenheim soma três vitórias e um empate nos quatros jogos oficiais realizados, entre Bundesliga e Taça da Alemanha. O conjunto germânico chega a este jogo, extremamente, motivado pelo triunfo sobre o pentacampeão, Bayern Munich.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia