Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Alto Minho promove projeto pioneiro de turismo náutico sustentável em Portugal
Tentou atropelar militar da GNR em noite de furtos

Alto Minho promove projeto pioneiro de turismo náutico sustentável em Portugal

Braga e Guimarães unem-se com uma vertente social pelo meio

Alto Minho promove projeto pioneiro de turismo náutico sustentável em Portugal

Alto Minho

2019-05-23 às 23h30

Redacção Redacção

De maio a outubro, a região irá promover os percursos azuis com atividades ligadas ao mar, rio e natureza entre Valença e Viana do Castelo para fomentar o turismo e economia da região.

O Alto Minho vai ser palco de um ambicioso projeto para reconhecer a região como destino sustentável naútico. O evento de lançamento da Blueways teve lugar no Largo dos Poetas, em Ponte da Barca, quinta-feira, dia de 23 de maio com uma conversa entre convidados especiais que reforçaram a importância das atividades náuticas e do seu impacto na região do Alto Minho.
A mesa redonda contou com a participação de Augusto Marinho, Presidente da Câmara de Ponte da Barca; Cecília Marques, representante da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho; Luís Barros, da empresa Aktiva Natura; Manuel Costa, da Tobogã e António Jorge, coordenador de Informação Rádio do Centro de Produção do Norte da RTP como moderador convidado.
O Blueways ambiciona desenvolver e promover percursos azuis que incentivem um turismo náutico sustentável em 10 municípios da região: Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira.
Todos os municípios vão contar com atividades náuticas como Bodyboard, Canoagem, Canyoning, Kitesurf, Passeios de Barco, Rafting, Stand Up Paddle, Surf Windsurf, Pedestrianismo, Hidrospeed e Visitas a lagos e cascatas. Com o  projeto, os municípios pretendem dar visibilidade à região, mostrando a qualidade do mar, dos rios e das montanhas do Alto Minho.
Entre maio e outubro de 2019, o projeto pretende trazer especialistas nacionais e internacionais a debater sobre o tema, ao mesmo tempo que assume um compromisso multissetorial e uma oportunidade única de projetar o Alto Minho para a sustentabilidade náutica com atividades no rio, no mar e  na natureza.
Na sua intervenção, José Costa, Presidente da CIM Alto Minho, destacou a importância do projeto do Alto Minho deposita nas questões do desenvolvimento sustentável, uma concretização de um trabalho que tem sido desenvolvido ao longo dos últimos anos.
Com um programa alargado, serão abordados temas como o posicionamento atual do Alto Minho enquanto destino de turismo náutico sustentável, exemplos de destinos com práticas sustentáveis ou momentos de “networking”, que reúnem os melhores casos de estudo de boas práticas no turismo sustentável, tanto a nível de alojamentos e operadores turísticos, como também a nível de governação, certificação ou monitorização.
Consciente das características que tornam o Alto Minho tão diferentes, Cecília Marques explicou que, numa fase inicial, foi feito um planeamento da oferta de experiências nos diferentes percursos azuis e um levantamento de infraestruturas necessárias para o projeto.
O Presidente da Câmara de Ponte da Barca, Augusto Marinho, fez questão de enaltecer a “fasquia elevada e grande responsabilidade” que este projeto acarreta. Salientou ainda que os objetivos do projeto se alinham com a estratégia do Município na valorização da natureza e do turismo local.
Manuel Costa e Luís Barros, responsáveis pelas empresas,  falaram da importância da promoção destas atividades para um desenvolvimento sustentável dos percursos e para a satisfação dos habitantes e turistas da região.“ Cada Município estará focado numa modalidade diferente e responsável pela sua logística. A ideia é fornecer uma solução integrada, que potencie a região, respeite a natureza e que evidencie o melhor que cada concelho tem a oferecer”, explicaram.
A BlueWays arranca agora em maio e promete experiências singulares até ao final de outubro. O projeto teve um investimento de cerca de 350.000 mil euros e que combinou parcerias público-privadas em torno do mesmo propósito: implementar as experiências da BlueWays e unir esforços para que o território, a natureza e as pessoas sejam valorizados de igual forma.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.