Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Atletas de 16 nacionalidades correm 6.ª Meia Maratona de Famalicão
Eurocidade Cerveira-Tomiño premiada pela criação das provedoras da cidadania transfronteiriça

Atletas de 16 nacionalidades correm 6.ª Meia Maratona de Famalicão

Dança e canções tradicionais levam professoras do Agrupamento de Escolas de Maximinos à Bulgária

Atletas de 16 nacionalidades correm 6.ª Meia Maratona de Famalicão

Desporto

2019-11-14 às 06h00

Rui Serapicos Rui Serapicos

Dia 24 de Novembro, pelas 10 horas, vai ser dado o tiro de partida para a VI Meia Maratona de Famalicão. A prova, organizada pela Runporto, cresce no sentido da internacionalização.

Da quinta edição para a sexta, a Meia Maratona de Famalicão eleva para 16 as nacionalidades dos atletas presentes, mais seis do que na quinta edição, em 2018, como frisou ontem Tiago Teixeira, da Runporto, ao fazer a apresentação da prova.
“É um evento cada vez mais mais internacional” — realçou, para adiante apontar atributos que a organização mantém na corrida, como o ‘live tracking’, sistema electrónico que permite acompanhar (por telemóvel ou computador) a cada instante da prova, o posicionamento de um determinado atleta e estimar o seu tempo de chegada.
Outra característica da sexta edição da meia maratona é a preocupação ambiental. Haverá contentores para deposição de embalagens e garrafas de água nas proximidades dos pontos de abastecimento e da meta, frisou Tiago Teixeira, explicando esta medida com a preocupação de fazer um evento “mais amigo do ambiente”.
Por sua vez, Jorge Teixeira, o director geral da Run Porto, salientou que em Famalicão a Polícia Municipal, a PSP e a GNR constituem-se como “três forças de segurança que actuam em equipa”, e que “nem sempre é assim em outras paragens”.
A?fechar a apresentação, o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Paulo Cunha, fez a apologia do “sinal” que tenta transmitir à população tendo em vista a generalização da prática desportiva.
“É um sinal à comunidade de que este concelho tem políticas públicas de disseminação da prática desportiva”, realçou o edil para adiante indicar que ao realizar uma meia maratona por ano a autarquia procura que os famalicenses pelo menos uma vez por semana vão fazendo a sua preparação.
Também é, acrescentou ainda, “um sinal” para que quem anda de automóvel ande mais a pé.
Paulo Cunha pediu ainda aos famalicenses que tenham compreensão pelas restrições ao uso do automóvel, prometendo que a ocupação da via pública será reduzida ao mínimo da prova.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.