Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Centurium - IX Torneio de Jogos Romanos de Tabuleiro tem mérito por ser contra-corrente e inclusivo
Inaugurado em Curvos Museu das Motas Motom

Centurium - IX Torneio de Jogos Romanos de Tabuleiro tem mérito por ser contra-corrente e inclusivo

Guerreiros de lanças apontadas aos Leões

As Nossas Escolas

2018-05-20 às 08h01

Patrícia Sousa

Final do Torneio de Jogos Romanos de Tabuleiro está marcada para a próxima sexta-feira. Instituto das Comunidades Educativas é parceiro desde a primeira hora e reconhece mais-valias deste projecto.

O Centurium - IX Torneio de Jogos Romanos de Tabuleiro, cuja final está marcada para a próxima sexta-feira no Museu D. Diogo de Sousa, não é o jogo pelo jogo, mas a democratização do acesso a bens públicos, que tem vindo a crescer e tem mérito e excelência porque é um projecto contra-corrente e inclusivo, porque inclui todos e todas as idades, defendeu Fernando Ilídio do Instituto das Comunidades Educativas (ICE), acreditando que este é um projecto bola de neve como todos deviam ser.
Parceiro do Centurium desde a primeira hora, o ICE foi constituído no início dos anos 90 e foi resultado da confluência de projectos de intervenção e do envolvimento e articulação de autarquias, colectividades, associações, escolas, universidades e serviços públicos, personalidades ligadas à cultura e educação e diferentes organizações não governamentais. O ICE define como principal objectivo e razão de ser o combate contra a exclusão social, promovendo a cultura educativa e o desenvolvimento integrado local em Portugal.

O professor Fernando Ilídio, que conheceu o mentor do Centurium, quando este tirou o mestrado em associativismo e animação sociocultural e educativa, vê neste projecto muitas mais-valias. O Centurium é para todos, é inclusivo e abrange várias áreas curriculares, apostando-se ainda na formação contínua de professores, elogiou.
Apostado em projectos de prevenção junto dos mais vulneráveis das zonas rurais e sub-urbanas, o ICE abraçou o Centurium, que teve desde o início efeitos dinamizadoras e multiplicadores, trabalhando muito a intergeracionalidade, o que permite encontros de pessoas de idades diferentes, destacou ainda aquele responsável.

E Fernado Ilídio foi mais longe: a escola tem andado pouco e continua a transmitir de conteúdos compartilhados. É preciso apostar em projectos que cruzam, como este, várias áreas disciplinares e competências transversais. O Centurium, continou aquele responsável, é um projecto com muitas potencialidades que permite contrariar muitas tendências da sociedade actual, favorecendo a cooperação e a competição em grupo.
A par do reforço da auto-estima, o projecto tem mostrado, ainda nas palavras de Fernando Ilídio, uma nova visão da criança e do jovem assente na base que todos são competentes e capazes.
A final do torneio conta com alunos do 1.º, 2.º e 3.º ciclos, do secundário, bem como de alunos com necessidades educativas especiais. O torneio conta com os jogos: seega, tábula, moinho e soldado. Sendo que os alunos de necessidades educativas especiais concorrem no jogo do moinho.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.