Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Circo ‘à mostra’ na Casa das Artes de Famalicão
Autarca de Viana do Castelo apresenta em Bruxelas projetos da Economia do Mar

Circo ‘à mostra’ na Casa das Artes de Famalicão

TUB criam EUB para fiscalização mais eficiente do estacionamento

Circo ‘à mostra’ na Casa das Artes de Famalicão

Vale do Ave

2019-06-17 às 14h32

Redacção Redacção

Os finalistas do Instituto Nacional de Artes do Circo exibem criações profissionais a partir de hoje e até ao próximo dia 22 na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão. A magia do circo contemporâneo espalha-se esta noite, a partir das 21.30 horas.

Há quanto tempo não vai ao circo? Será que ainda sabe o que é o circo? Sabe qual é o futuro desta arte? Estas são algumas questões que podem ser colocadas a qualquer pessoa e que, dificilmente, terão resposta pronta. Por isso, dando cumprimento à sua missão, a Casa das Artes de Famalicão coloca ‘à mostra’, em palco, as respostas.
Entre hoje e o próximo dia 22 , sempre às 21.30 horas, ‘à mostra’ é o título da apresentação dos primeiros trabalhos profissionais dos finalistas do Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC), em coprodução com a Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

Para cada um dos seis dias, o ingresso custa 4 euros ou 2 euros para estudantes e portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.
Em palco estarão jovens artistas oriundos de diversos países como França, Espanha, Alemanha, Inglaterra, Grécia, Brasil, Costa Rica, Israel, Colômbia, Israel e, claro, Portugal.
A Casa das Artes enche-se de circo contemporâneo desenvolvido pelos finalistas do INAC, em solos que corporizam os primeiros trabalhos profissionais e acabados daqueles artistas.

Hoje, às 21.30 horas, é feita a abertura do conjunto das apresentações a solo, com a apresentação da performance da turma, com o título ‘Raízes’, com base no texto do livro ‘A desumanização’ de Valter Hugo Mãe.
Descreve a sinopse: “Nos meus sonhos imaginava jardins de crianças. As árvores baixas dos corpos, falando, brincando com os braços, e os pássaros pousando entre as folhas. Os braços deitavam folhas e seguravam ninhos nas mãos e as crianças eram sempre pequenas, animadas de ingenuidade, gratas pela vida sem saberem outra coisa que não a vida. E sonhava que as pessoas japonesas vinham ao jardim contemplar, e deitavam água de regadores coloridos que lavavam os pés-raízes das crianças-bonsai. E só de noite, quando bem escuro, alguém vinha com as facas para laminar as partes dos corpos que se alongavam. Laminavam cuidadosamente, todas as noites, para que não deformassem as crianças, para que avelhassem sem se notar. Incapazes de mostrar a idade. Apenas livres para usarem a idade na manutenção eufórica da infância. Sofreriam os cortes caladas. Conscientes da maravilha que aquela dor lhes trazia”.

O INAC - Instituto Nacional de Artes do Circo é um pólo internacional dedicado exclusivamente às artes do circo localizado em Vila Nova de Famalicão e membro da Federação Europeia de Escolas de Circo Profissionais.
Tem como missão formar artistas, capazes de uma abordagem pluridisciplinar que assegure o surgimento e a afirmação de novas estéticas e levar o circo a todos os públicos, assim como a difusão e a implementação do circo contemporâneo em Portugal proporcionando uma nova oferta e enriquecendo o panorama cultural vigente.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.