Correio do Minho

Braga, terça-feira

Câmara de Famalicão aprova 1,3 milhões de investimento municipal em saneamento básico
UMinho em programa revolucionário de monitorização da biodiversidade

Câmara de Famalicão aprova 1,3 milhões de investimento municipal em saneamento básico

Oito detidos por tráfico de droga em Braga e em Guimarães

Vale do Ave

2019-05-23 às 18h21

Redacção

Nova frente de obras vai beneficiar um total de 18 freguesias do concelho e permitir elevar a cobertura concelhia para os 90%

A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão aprovou hoje em Reunião de Câmara um volume de novos investimentos na Rede de Saneamento Básico do concelho que vão consumir mais de 1,3 milhões de orçamento municipal na construção de 25 quilómetros de rede que vão permitir um total de 660 novas ligações em 18 freguesias do concelho.
 
“É um grande esforço que fazemos na qualidade de vida das pessoas, canalizando um averba significativa do orçamento municipal para as necessidades básicas dos cidadãos”, refere o Presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, dando nota que “com este investimento a rede de saneamento básico do concelho atingirá uma cobertura de 90% do território”.
 
A União de Freguesias de Mouquim e Lemenhe, União de Freguesias de Cavalões e Outiz, União de Freguesias de Arnoso Santa Eulália, Santa Maria e Sezures, Louro, Vilarinho das Cambas, Fradelos, Ribeirão, União de Freguesias de Famalicão e Calendário, União de Freguesias de Esmeriz e Cabeçudos, União de Freguesias de Vale S. Cosme, Telhado e Portela, União de Freguesias de Ruivães e Novais, Vermoim, Pousada de Saramagos, Requião, Castelões, União de freguesias de Seide  e Landim são as freguesias do território famalicense que vão beneficiar com esta nova frente de obra.
 
Paulo Cunha explica que nos últimos seis anos foi aplicado “um investimento municipal histórico e sem precedentes no concelho a este nível, uma vez que este tipo de obras deixou de ter enquadramento ao nível dos apoios comunitários, sendo realizado com orçamento 100% autárquico”. Por outro lado, acrescenta, o que falta realizar é o investimento mais caro, uma vez que “é aquele que diz respeito a zonas com densidade populacional menor e com dificuldade técnica maior, o que faz subir, e muito, o custo por cada quilómetro novo a construir. Mas cada pessoa é uma pessoa e não descansaremos enquanto não atingirmos a cobertura total da rede”.   

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.