Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +
Colaboradores da ‘Concentrix’ lutam pela manutenção dos postos de trabalho
Domingos Bragança integrou o painel da plataforma “De Portugal para o Mundo”

Colaboradores da ‘Concentrix’ lutam pela manutenção dos postos de trabalho

Cadáver retirado do rio é de homem desaparecido

Colaboradores da ‘Concentrix’ lutam pela manutenção dos postos de trabalho

Braga

2020-01-14 às 06h00

Miguel Viana Miguel Viana

Sindicato de Trabalhadores de Call Center acusa empresa de proceder a despedimentos ilegais e de transferir trabalhadores sem aviso prévio. Dezenas de funcionários manifestaram-se ontem à porta da empresa em Braga.

Dezenas de trabalhadores da empresa ‘Concentrix’ manifestaram-se ontem à porta do local de trabalho, no edifício da Estação de Comboios.
Na base da luta, referem os trabalhadores, está o facto da empresa alegadamente não respeitar os direitos dos delegados sindicais e de um deles ter sido despedido.

“Esta empresa tem um desrespeito total pelos direitos sindicais. Nunca nos foi dado espaço que a lei exige para o trabalho sindical, tentaram cercear o trabalho sindical. Além do problema dos horários de trabalho e da falta de pagamentos de milhares de euros em prémios a trabalhadores, a empresa desenvolveu mais um ataque aos trabalhadores, despedindo um dirigente sindical, que sou eu”, revelou Nuno Geraldes, operador de call center e dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Call Center. O porta-voz dos funcionários acusa ainda a empresa de “abrir processos disciplinares a toda a estrutura sindical, a outro dirigente e a dois delegados. Não podemos desenvolver trabalho sindical. A empresa nem sequer nos deixa entrar para desenvolvermos trabalho sindical”. Por essa razão, ontem terá sido chamada a PSP para registar a proibição da entrada.

Nuno Geraldes considerou que uma alegada quebra de sigilo profissional esteve na origem do seu despedimento. “No meu caso, eles dizem que eu divulguei informações confidenciais, o que não é verdade. Aos outros, nem sequer explicaram a razão para terem sido suspensos.”
O dirigente sindical referiu ainda que “há trabalhadores que estão suspensos ilegalmente, sem processo disciplinar aberto e alguns há mais de um ano. É uma pratica comum desta empresa suspender pessoas arbitrariamente sem processos”.

Outra das alegadas ilegalidades apontadas pelo dirigente sindical é a realização de transferências arbitrárias de alguns colaboradores. “O que eles querem é que as pessoas desistam e se demitam. Fazem pressões para que as pessoas se despeçam e não terem de ser eles (a empresa) a arcar com os custos do despedimento”, disse Nuno Geraldes.

Além da greve, os trabalhadores prometem concentrar-se à porta da empresa responsável pela contratação da mão-de-obra da ‘Concentrix’, a ‘Randstad’, no dia 16 deste mês em Lisboa. Entretanto prometem, também, recorrer aos tribunais e realizar plenários de trabalhadores.
Os funcionários da ‘Concentrix’ (cerca de 400/500 pessoas) são contratados pelas empresas de mão-de-obra ‘Randstad’ e ‘ Manpower’.
O Correio do Minho tentou contactar a ‘Concentrix’ mas sem sucesso. Contactou a empresa ‘Randstad’ pelo correio electrónico, mas também não obteve resposta.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.