Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Encontros de Outono arrancam na Fundação Cupertino de Miranda
“Divido este prémio com muita gente”

Encontros de Outono arrancam na Fundação Cupertino de Miranda

Plano para a Igualdade pronto até final de 2020

Encontros de Outono arrancam na Fundação Cupertino de Miranda

Vale do Ave

2019-11-21 às 16h00

Redacção Redacção

A Iniciativa promovida pelo Museu Bernardino Machado debate o tema “As Relações entre Portugal e o Brasil: da I república à Democracia Pós Abrilista”.

Arranca amanhã, sexta-feira, pelas 9h30, na Fundação Cupertino de Miranda, mais uma edição dos Encontros de Outono dedicados ao tema “As Relações entre Portugal e o Brasil: da I república à Democracia Pós Abrilista”. A iniciativa vai reunir, em Vila Nova de Famalicão, mais de uma dezena de investigadores e historiadores especialistas em relações internacionais e vai decorrer até sábado, 23 de novembro.
 
As conferências que se realizam já há mais de 20 anos são uma iniciativa do Museu Bernardino Machado e têm no seu patrono a principal inspiração para o debate.
 
Numa época em que as correntes migratórias entre Portugal e o Brasil estão particularmente intensas, o debate da temática ganhou um especial relevo conjugando-se com o facto de Bernardino Machado ter nascido no Rio de Janeiro, sendo filho de mãe brasileira, e pai português. Com nove anos veio com a família viver para Portugal e mais tarde acabou por adotar a nacionalidade do pai como sua. Apesar disso, o homem que foi Presidente da República Portuguesa por duas vezes e uma das principais figuras da I República, manteve sempre uma relação de grande proximidade com as suas origens e isso refletiu-se a nível profissional.
 
Isso mesmo realça o coordenador cientifico do Museu Bernardino Machado, Norberto Cunha, referindo que “o arco temporal do Colóquio inclui, em grande parte, o acume do percurso político de Bernardino Machado que, além de ter nascido no Brasil, foi ministro de Portugal neste país, de 1912 até ao fim de 1913, fez nele um excelente trabalho diplomático e económico junto da comunidade portuguesa e, ao longo da sua vida política sempre lhe mereceram especial atenção as relações e problemas entre as duas “Pátrias irmãs.”
 
Quanto à pertinência do tema, o responsável afirma ainda que “há muito que sabemos que a “identidade” do nosso país se fez de fora para dentro” e que neste processo “o Brasil foi fundamental não apenas por via dos milhares de emigrantes que o “aportuguesaram”, mas pelas riquezas imensas que fluíram para Portugal e aqui vicejaram”.  Por outro lado, “num tempo de grandes migrações, afluem a Portugal, milhares de brasileiros com a intenção de se fixar e trabalhar entre nós”, realça ainda.
 
Por tudo isto, Famalicão irá reunir as condições necessárias e a atmosfera ideal para o debate e para o conhecimento da temática.
 
Ao todo, serão realizadas dez conferências com outros tantos oradores convidados. Em cima da mesa estarão os temas: “Confederação Luso-Brasileira: uma utopia na I República”; “A contemporaneidade Luso-Brasileira de Silvestre Pinheiro Ferreira”; “As Relações Portugal / Brasil no 1.º quartel do século XX”; “Um olhar sobre as ditaduras de Getúlio Vargas e Oliveira Salazar”; “Brasil na Grande Exposição do Mundo Português (1940); “O Lusotropicalismo de Gilberto Freyre”; “A Dívida externa do Brasil na era Vargas e os seus reflexos em Portugal”; “Portinari e o neo-realismo portugês” e “Henrique Galvão, a operação Dulcineria e o seu exílio e oposição, no Brasil, ao Salazarismo”.
 
A relevância da iniciativa é realçada pelo presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, que destaca que os Encontros de Outono promovidos anualmente pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, através do Museu Bernardino Machado, “têm conquistado ao longo dos anos um justificado prestígio por uma razão muito simples: além de produzir e debater saber e conhecimento, souberam criar em seu torno uma cultura académica muito própria, numa atmosfera de partilha única e original.” E acrescenta: “Não é por acaso que esta iniciativa se mantém há mais de vinte anos, decorrendo de forma interrupta reunindo anualmente académicos, historiadores e investigadores nacionais e internacionais.”
 
Refira-se que, entretanto, está patente até 15 de dezembro, no Museu Bernardino Machado a exposição documental “Bernardino Machado e o Brasil”.
 
As inscrições e a participação nas conferências dão direito a um Certificado de Participação, acreditado pelo Centro de Formação Científica.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.