Correio do Minho

Braga,

- +
Fado Bicha dá concerto no Theatro Circo
Guerreiros conquistam Taça de Portugal em futebol de praia

Fado Bicha dá concerto no Theatro Circo

Escola de Educação Rodoviária dedica-se à mobilidade inclusiva

Fado Bicha dá concerto no Theatro Circo

Braga

2019-07-22 às 18h08

Redacção Redacção

O projeto musical de Lila Fadista e João Caçador, Fado Bicha, estará no Theatro Circo para um concerto na próxima sexta feira às 22 horas.  

Neste espectáculo, Lila, a fadista, e João Caçador, o guitarrista, juntos formam o Fado Bicha, uma banda que rompe os padrões da canção-hino portuguesa e traz as estórias de lésbicas, gays, bissexuais, trans e interssexuais (lgbti) para o Fado, classificado em 2011 Património Imaterial da Humanidade, pela organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.
 
O Fado Bicha é um projecto musical e ativista composto por Lila Fadista (voz) e João Caçador (guitarra elétrica e outros instrumentos). O projecto, em todas as suas vertentes (temática, lírica, visual, musical), assenta sobre uma premissa de subversão da regra heteronormativa.
Mais ainda quando a matriz de referência e a matéria sobre a qual trabalham é o fado, um estilo musical conservador nutrido por um meio tradicionalista. Através da alteração de poemas já cantados e da criação de novos, criam-se espaços para a experimentação de narrativas não normativas no que toca ao género e à sexualidade. É fado até ao tutano, intenso e rasgado, e é bicha porque usa a subversão como linguagem de identidades tão pouco representadas.
 
Ao longo dos últimos dois anos, a dupla adaptou várias canções cantadas por Amália Rodrigues, como Lisboa, não sejas francesa, transformada em Lisboa, não sejas racista, ou Nem às paredes confesso, batizada de Crónica do macho discreto. Amália é, para os dois músicos, a maior referência do fado — João apelida-a carinhosamente “bicha”, tendo em conta o lado “activista, transgressor e subversivo” da sua personalidade.
 
O derradeiro objectivo de todas as músicas é homenagear os fadistas e poetas que nunca puderam escrever de forma livre e explícita sobre as suas experiências LGBTI.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.