Correio do Minho

Braga, terça-feira

Família de jovem assassinado na Areosa constitui-se assistente no processo
Caminha garante 1,5 ME para nova escola e academia de música

Família de jovem assassinado na Areosa constitui-se assistente no processo

Associação Académica da UMinho questiona se propinas gratuitas são disparate

Casos do Dia

2019-01-09 às 06h00

Redacção

Família do jovem de 22 anos assassinado em 5 de Dezembro, na Areosa, vai constituir-se assistente no processo-crime.

A família do jovem de 22 anos assassinado, em Dezembro, na freguesia de Areosa, Viana do Castelo, vai constituir-se assistente no processo-crime que está a decorrer, anunciou ontem à Lusa o advogado Pedro Meira.
O jovem pescador, de 22 anos, foi esfaqueado nas costas no dia 5 de Dezembro de 2018, cerca das 18.09 horas, na travessa do Pico, em Areosa.
Ainda foi transportado ao hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo, em estado grave, acabando por morrer naquela unidade hospitalar.

A 13 de Dezembro o Tribunal de Viana do Castelo decretou prisão preventiva para dois homens detidos pela Polícia Judiciária (PJ) de Braga, pelo alegado homicídio do jovem.
Em comunicado ontem enviado à agência Lusa, o advogado da família, “nomeadamente, a companheira e mãe dos dois filhos menores, vai constituir-se assistente no processo-crime” por “pretender ter um acompanhamento mais directo e permanente do processo judicial”.

“Até ao momento e, desde a data do falecimento, não obteve mais qualquer tipo de informação relativamente ao processo a não ser o que tem vindo a público e sido veiculado pela imprensa”, sustenta a nota.
Pedro Meira adiantou que “o profundo propósito dos familiares é que este crime seja investigado de forma exaustiva e sejam apuradas todas as responsabilidades de modo a honrar a memória do seu familiar que deixou dois filhos menores, um deles com meses de vida”.

O advogado da família acrescentou também que “a família vai começar, nos próximos dias, a receber apoio e acompanhamento psicológico através de um gabinete específico da APAV, designada Rede de Apoio a Familiares e Amigos de Vítimas de Homicídio”. “A companheira, os filhos, os pais e familiares deste jovem são as vítimas invisíveis para a sociedade, não sendo os alvos directos deste crime, são eles que sofreram e sofrem agora o impacto devastador deste homicídio”, adiantou.
Os dois detidos pelo alegado homicídio do jovem têm idades entre os 27 e os 33 anos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.