Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Freguesia de Gualtar exige um posto dos CTT
“O ABC será aquilo que a cidade quiser que seja”

Freguesia de Gualtar exige um posto dos CTT

Póvoa de Natal 2019 prossegue na Póvoa de Lanhoso

Freguesia de Gualtar exige um posto dos CTT

Braga

2019-11-14 às 15h35

Redacção Redacção

A Junta de freguesia de Gualtar solicitou já, por várias vezes, a criação de um posto dos CTT na sua área de território. São muitos os pedidos e os emails trocados com a empresa.

Recentemente, o único posto dos CTT próximo da nossa freguesia que existia em Tenões, foi deslocado para a Sede da Junta de Freguesia de Nogueiró-Tenões, a mais de 2 quilómetros, ficando uma grande parte da população de Gualtar sem acesso aos diversos serviços prestados pela empresa. Serviços que são essenciais à população e que se exige sejam prestados aos Gualtarenses que pagam os seus impostos e que neste momento perdem pelo quase 2 horas para se deslocarem a um dos postos, mais próximos, nos transportes públicos.
Aos pedidos da Junta de Freguesia respondeu a empresa, que a "oferta actual existente na área envolvente a Gualtar é suficiente".

A Junta de freguesia considera que esta resposta, torna evidente o desconhecimento que os CTT têm do terreno e das dificuldades que, a inexistência de um posto dos correios, tem para toda a população. Por isso disponibilizou a Junta o espaço e os recursos para que a instalação fosse possível.

Relembre-se que a freguesia de Gualtar tem actualmente mais de 7000 residentes e, além disso, muitas centenas de estudantes universitários a residir na freguesia.
São também muitas as pessoas que fazem o seu dia-a-dia em Gualtar por causa da Universidade do Minho, do Hospital Central, da Escola EB23 que recebe alunos de mais 5 freguesias, Escola EB1 com 230 Alunos, 1 Centro de Saúde com 15.000 utentes, 3 Creches, 1 Centro Social e 2 colégios privados. Tem ainda mais de uma centena estabelecimentos de comércio e empresas de várias áreas.

Confrontado com a resposta da empresa a Junta de Freguesia exigiu explicações à mesma, que aguarda, para perceber em que dados se baseiam para tomar uma decisão com este impacto.

João Vieira, presidente da Junta de Freguesia, foi mais longe “não nos vamos conformar com a postura dos CTT. A população de Gualtar exige ser tratada com respeito e de acordo com a equidade territorial. Não nos vamos calar. Iremos manifestar-nos neste caso até que sejamos ouvidos. A oferta não é suficiente. É pelo, muito pelo contrário, absolutamente inexistente e por isso exigimos resposta às necessidades das pessoas até porque essa é uma obrigação dos Correios.”

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.