Correio do Minho

Braga,

GNR munida de novas tecnologias sinaliza áreas críticas para limpar
Bienal de Arte mostra espólio em Itália

GNR munida de novas tecnologias sinaliza áreas críticas para limpar

SC Braga/AAUM não logrou evitar Benfica em domingo de Páscoa

Cávado

2019-03-14 às 06h00

Teresa M. Costa

Na Operação Floresta Segura a GNR recorre às novas tecnologias para sinalizar as áreas prioritárias em termos de gestão de combustível. No distrito de Braga, os militares estão a palmilhar 96 freguesias em 11 concelhos.

É com recurso às novas tecnologias, de tablets em punho e com o apoio de fotografias de satélite, que a GNR está a palmilhar o território do país para georrefenciar as áreas prioritárias em matéria de limpeza florestal.
Em nome de uma ‘floresta segura’, os militares do Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) e do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) assumiram esta missão e têm estado no terreno, todos os dias, aproveitando para contactar a população e sensibilizá-la para a importância de cumprir a lei em matéria de gestão de combustível.
No distrito de Braga, a GNR está a passar a “pente fino” as 96 freguesias de 1.ª e 2.ª prioridade espalhadas por 11 concelhos.

As imagens de satélite são cruzadas com o registo cadastral e com os Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) para identificar as situações mais críticas que são sinalizadas com as respectivas coordenadas e registo fotográfico.
É depois feito o registo informático com a georreferenciação de todos os locais que têm de ser limpos e cujo prazo de limpeza termina amanhã.
O ‘Correio do Minho’ acompanhou uma das muitas acções que a GNR tem em curso, desta feita em Rendufinho, uma das freguesias de 1.º prioridade do concelho da Póvoa de Lanhoso.
Além da GNR, participaram nesta acção o presidente da Junta de Freguesia de Rendufinho, Bernardino Guimarães, o vereador da Protecção Civil do Município da Póvoa de Lanhoso, André Rodrigues, e Manuela Freitas, também do serviço municipal de Protecção Civil.

As sedes de junta de freguesia têm sido o ponto de encontro para quem quer esclarecer dúvidas, mas a GNR contacta as pessoas e acompanha-as ao local se as dúvidas persistirem, explica o chefe do Serviço de Protecção da Natureza e Ambiente (SEPNA) do Comando Territorial (CTER) de Braga, Major Paulo Delgado.
Em Rendufinho, e tal como tem sucedido noutras localidades, a preocupação da GNR foi sensibilizar para as normas que decorrem da lei.

O oficial da GNR, que destaca a adesão, enaltece a colaboração dos municípios, e mais directamente no terreno, dos presidentes de junta, reconhecendo que “sem isso não era possível”.
O vereador da Protecção Civil destacou o carácter pedagógico da presença da GNR, considerando que “é essencial ensinar às pessoas o que devem fazer, como e quando”.
André Rodrigues manifestou ainda a disponibilidade do Município da Póvoa de Lanhoso para colaborar neste tipo de acção e noutras com a GNR e com os bombeiros.
O presidente da Junta local também evidenciou a mais-valia da sensibilização da GNR e disponibilizou-se para auxiliar.

Deixa o teu comentário

Últimas Cávado

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.