Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Greve dos professores superou os 80% e obrigou ao fecho de escolas
Breakfast de Cooperação Empresarial abordou a internacionalização

Greve dos professores superou os 80% e obrigou ao fecho de escolas

Natas de vinho do Porto é a iguaria inovadora servida na Pastelaria Soares

Ensino

2018-10-05 às 08h00

Paula Maia

A greve dos docentes obrigou ao encerramento de várias escolas do 1.º Ciclo do Ensino Básico e Jardins-de-Infância. Também a EB 2,3 André Soares fechou portas devido à greve.

O quarto dia de greve dos professores, que afectou ontem a região Norte, levou ao encerramento de várias escolas no concelho de Braga, sobretudo as Escolas Básicas, que integram o Ensino pré-escolar e o 1.º Ciclo do Ensino Básico.
Segundo o Sindicato de Professores do Norte (SPN) foram várias as escolas básicas que encerraram portas devido à greve dos docentes, nomeadamente as EB’s de S. Lázaro, Quinta da Veiga (S. Vicente), Frossos, Quinta das Hortas (Sé), Priscos, Tebosa, Vimieiro, Cunha, Gualtar, Este S. Mamede, Arcos S.?Paio, Esporões, Fraião, Gondizalves, Escudeiros, Ortigueira (Palmeira).
“A adesão verificou-se, sobretudo, ao nível do pré-escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico”, referiu ao CM Júlia Vale, dirigente do SPN.
Ainda no concelho de Braga, a greve levou também ao encerramento da EB 2,3 André Soares.
De acordo com Júlia Vale, os números de Braga são similares aos concelhos de Vila Verde, Amares, Vieira do Minho, Póvoa de Lanhoso, Barcelos e Esposende, onde a greve levou também ao encerramento de várias escolas Básicas.
A semana de paralisação dos professores que teve como base a luta pelo reconhecimento de nove anos, quatro meses e seis dias para efeitos de progressão na carreira docente culmina hoje, Dia do Professor, com uma manifestação nacional, em Lisboa.
A greve foi convocada por 10 estruturas sindicais de professores e começou na segunda-feira, afectando sobretudo as escolas dos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém, e na terça-feira os distritos Portalegre, Évora, Beja e Faro.
Na quarta-feira, o protesto realizou-se Coimbra, Aveiro, Leiria, Viseu, Guarda e Castelo Branco.
Os motivos da greve prendem-se não apenas com a recuperação integral do tempo de serviço, mas também com a necessidade de resolver a questão da aposentação, da sobrecarga horária e da precariedade.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.