Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Guerreiros sofrem primeiro desaire na pré-época
Discussão pública do Plano Estratégico Educativo Municipal até 30 de outubro

Guerreiros sofrem primeiro desaire na pré-época

Carla Cruz: A CDU tem espaço de crescimento

Guerreiros sofrem primeiro desaire na pré-época

2019-07-20 às 06h00

Ricardo Anselmo Ricardo Anselmo

SC Braga não encontrou argumentos para contrariar a superioridade do Lille. Esgaio ofereceu golo na primeira parte e Rafael Leão fechou as contas.

Foi com uma derrota que o SC Braga terminou o estágio de pré-época no Algarve. O teste com os franceses do Lille já fazia prever que este seria o mais difícil dos seis realizados até ao momento e isso acabou por se confirmar. Um golo a fechar cada uma das partes deixou à vista os erros que o SC Braga tem agora de corrigir até ao início oficial da temporada.

Não se pode dizer que tenha entrado mal na partida a equipa de Sá Pinto. Subida no terreno, a pressionar e a aproximar-se com algum perigo da baliza contrária. Perto do quarto de hora, Ricardo Horta quase que aproveitava da melhor maneira uma oferta da defesa do Lille, mas o passe que deixaria Paulinho na cara do golo foi bem interceptado por José Fonte. Ainda assim, o ligeiro ascendente do SC Braga não teve a continuidade desejada e haveria de ser já nos últimos cartuchos do primeiro tempo que uma má combinação de Matheus com Esgaio (este último deixou dois avançados do Lille isolados, apesar de o golo ser precedido de fora-de-jogo), resultou no balde de água fria para os guerreiros. Ouattara dominou a bola e serviu Loic Rémy que, com a baliza totalmente aberta, só teve de empurrar para um esforçoa inda inglório de Tormena.

Por esta altura André Horta já havia entrado em campo, para render o lesionado João Novais (o médio chocou com Paulinho e saiu agarrado à coxa esquerda, mas ao que tudo infica não será nada de grave. O maior probema para os minhotos no segunda mesmo seria mesmo a entrada de um português... do adversário, de seu nome Rafael Leão. Mas já lá vamos, porque primeiro importa realçar a reentrada em campo dos jogadores de Sá Pinto. Novamente a querer ter bola a e empurrar a formação do Lille para junto da sa área defensiva. Uma mão cheia de pontapés de canto e boas rescuperações de bola em zonas adiantadas, aliadas a muita garra não foram contudo suficientes para concluir um lance, sequer, na baliza de Léo Jardim.

Depois entra Rafael Leão, que impressiona pela estampa física e velocidade que empresta ao jogo. Primeiro passou como quis por Sequeira antes de atirar ao poste, mas depois, com toda a classe do mundo, atirou de calcanhar para o fundo da baliza do desamparado Matheus, após uma jogada ago confusa, novamente protagonizada por Ouattara.
Até ao fim, o SC Braga teve uma oportunidade clamorosa para reduzir, mas Murilo, sobre a linha, mas ainda assim estorvado por um defesa, falhou.


Ricardo Sá Pinto:
"Resultado claramente injusto"

No final do jogo, o treinador do SC Braga não estava naturalmente satisfeito com o resultado, mas elogiou os seus jogadores pela forma como se bateram contra os gauleses do Lille, afirmando que fez coisas boas durante este duelo.

“Temos de ter consciência de que defrontamos um adversário de Champions, que não nos assusta de maneira nenhuma. Penso que a equipa fez coisas boas, nomeadamente na segunda parte”, começou por analisar Ricardo Sá Pinto, acrescentando de seguida: “na primeira o jogo foi muito equilibrado, muito disputado. Houve muitas perdas e ganhos de bola. Nem sempre tomamos a melhor decisão.”

Sá Pinto lamentou também um jogo com poucas ocasiões de golo: “não criamos muitas oportunidades mas o adversário também não. Há um golo que é ilegal. Está um metro fora de jogo. Isto com o VAR era impossível ter sido validade. Mas, não sendo o resultado o mais importante nesta altura, claramente houve injustiça no resultado, a começar por esse primeiro golo. Depois na segunda parte tivemos a capacidade de ter a bola, de circular rápido. Fizemos boas combinações por dentro e por fora, chegamos bem a zonas de finalização, criamos oportunidades e quando estamos por cima do jogo quase durante trinta minutos para fazer a igualdade e ir à procura da vitória (porque é a nossa forma de estar), sofremos um golo meio aos ressaltos e depois não foi possível obter um resultado melhor”, lamentou.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.