Correio do Minho

Braga, sábado

- +
Manuel Correia mostra fotografias
Museu Virtual da Memória Marítimo no navio Gil Eannes

Manuel Correia mostra fotografias

Novo espaço ‘Lexus’ em Braga aguarda chegada do primeiro eléctrico da marca

Manuel Correia mostra fotografias

Braga

2010-12-16 às 06h00

Patrícia Sousa Patrícia Sousa

O fotógrafo bracarense Manuel Correia lança hoje o livro ‘Recepção e Expedição’ na livraria 100.ª Página. Laurinda Alves vai apresentar esta obra do fotógrafo que “materializa muito do trabalho que fica suspenso”.

‘Recepção e expedição’ é o novo livro do fotógrafo bracarense Manuel Correia, que é lançado hoje na livraria 100.ª Página. A cerimónia, que conta com a participação da jornalista e apresentadora de televisão Laurinda Alves, começa às 19 horas.

Fotografias do Bom Jesus, passando por Mali, Benin, Moçambique, Malásia ou Índia, seguindo, ainda, por outros locais do mundo e, mais à frente, indo ao encontro de espectáculos, paisagens ou arquitectura. Esta é a viagem que os adeptos de fotografia podem seguir no novo livro do fotógrafo, que teve agora a oportunidade “de materializar parte do muito trabalho que fica sempre suspenso”.

O sentido desta publicação é, segundo o fotógrafo, “o resultado de um percurso sem calendário nem roteiro”, a qual dedica a todos os projectos encomendados que, “em absoluta confiança me permitiram tantas expedições”, confidenciou o jovem bracarense.
A obra hoje lançada “é a expressão de uma forma eventualmente pouco articulada para alguns, da complexidade de um olhar muito pessoal sobre o que todos olham, sem verdadeiramente ver a familiaridade do que rodeia”.

Ainda na apresentação da obra o autor explica: “se por um lado sou recepção de tudo o que me é exterior, hospedo e abrigo formas, ambientes, luz e sombra, geografia física e humana, sons, harmonias e desarmonias, por outro sinto-me em permanente expedição e esta é sempre ponto de partida para uma digressão em programa, um desvio orientado, uma exposição da percepção que vou construindo e captando intuitivamente. Tudo o que recebo revela-se”.

Já no prefácio do livro, Laurinda Alves confidencia que com o fotógrafo atravessa “paisagens primordiais, montanhas de gelo branco, que maravilham e confundem. Que deixam sem certezas de nada, sem norte nem sul, apenas com a esperança de surgir mais além”. E a jornalista vai mais longe: “gosto da amplitude dos horizontes e da lentidão dos movimentos capturados por Manuel Correia. E gosto do silêncio num tempo dividido”.

Manuel Correia, acrescenta Laurinda Alves, fotografa “as pessoas e os lugares, as coisas e os momentos, a luz e a sombra com paixão e perfeição”. Por isso, a jornalista conhece “mais o Manuel Correia pelo que cala do que pelo que diz. Há homens que não precisam das palavras para se fazerem entender. Talvez ele seja um destes homens”.
O fotógrafo trabalha na área da arte e património, já apresentou uma obra apenas com modos de vida, com pessoas conhecidas e anónimas.

Entretanto, Manuel Correia está a acompanhar o cantor Rodrigo Leão nos vários espectáculos em sítios históricos. “Já estivemos em Coimbra, no Mosteiro dos Jerónimos e no Mosteiro da Batalha e a ideia é fazer a compilação de todas as fotografias e editar um cd específico com este trabalho”, adiantou o fotógrafo.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.