Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
Miguel Pinto Lisboa: “Elevar o nome do nosso clube”
“O rio Ave não pode ser seccionado”

Miguel Pinto Lisboa: “Elevar o nome do nosso clube”

Roadshow digital e tecnológico da Fundação Altice chega a Vila Nova de Cerveira

Miguel Pinto Lisboa: “Elevar o nome do nosso clube”

Desporto

2019-09-23 às 06h00

Miguel Machado Miguel Machado

Miguel Pinto Lisboa, presidente do Vitória SC, exultou o orgulho vitoriano nos festejos do 97.º aniversário. Cerimónia do has-tear da bandeira, no Estádio D. Afonso Henriques, foi demonstração do ecletismo do clube com atletas das várias modalidades.

Foi com grande fervor clubístico que centenas de associados do Vitória Sport Clube juntaram-se ontem de manhã na entrada principal do Estádio D. Afonso Henriques para o momento do hastear da bandeira do clube, acto solene que assinalou os 97 anos de história do clube fundado no dia 22 de Setembro de 1922.
No primeiro aniversário do clube sob o mandato do presidente Miguel Pinto Lisboa, a cerimónia teve momentos de enorme simbolismo, contando com a presença de Joaquim Barroso, sócio mais antigo do clube. Já a bandeira hasteada foi transportada por jovens atletas das mais diversas modalidades, numa demonstração do ecletismo do Vitória SC, que o presidente fez questão de sublinhar no discurso dirigido aos sócios.

“O Vitória é uma das principais forças motoras da nossa região e do país. Tudo faremos para que no nosso mandato possamos elevar o nome do nosso clube e da nossa região”, frisou, acrescentando: “neste dia, temos de deixar patente que o Vitória não é só futebol. O Vitória é também é um clube eclético, que aposta nas modalidades e na formação. Os nossos jovens honram todos os dias a camisola do nosso clube. Mas, o nosso objectivo não é só formar atletas, mas também formar homens e mulheres na nossa plenitude, que possam melhorar a nossa sociedade”, afirmou o 23.º presidente da história do Vitória SC.

A dirigir a cerimónia solene dos 97.º Aniversário do Vitória, o presidente da Assembleia Geral, José Antunes, dirigiu-se também aos associados reforçando “a paixão que une todos os vitorianos”.
De seguida, registou-se outro dos momentos altos, em que a direcção do Vitória assinalou o lugar onde tudo começou, com a colocação de uma placa na praça do Toural, junto à porta que, em 1922, servia de entrada para a antiga “Chapelaria Macedo”, propriedade do primeiro presidente do clube vitoriano.
Domingos Bragança, presidente da Câmara Municipal de Guimarães, juntou-se a Miguel Pinto Lisboa, na inauguração.
“Este acto simbólico teve como objectivo dar início a uma integração cada vez maior do clube com a cidade que muito nos orgulha. Iniciamos desta forma esse aprofundar da relação”, frisou o presidente do Vitória.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.