Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
Montalegre espera enchente na última ‘sexta 13’ do ano
A vontade é vencer a final mas primeiro é preciso lá chegar

Montalegre espera enchente na última ‘sexta 13’ do ano

Conhecer as Forças Armadas é “mais-valia” para os jovens

Montalegre espera enchente na última ‘sexta 13’ do ano

Cávado

2019-12-11 às 10h25

Redacção Redacção

Milhares de pessoas são esperadas esta sexta-feira em Montalegre. Uma das “maiores festas de rua do país” impulsiona toda a economia local.

Montalegre espera uma “enchente” para a última sexta-feira 13 do ano, evento que “impulsiona toda” a actividade económica e “que esgota” a hotelaria e restauração do concelho, disse ontem o presidente da câmara.
A sexta-feira 13, ou a “noite das bruxas”, tornou-se numa das “maiores festas de rua do país”, atrai milhares de pessoas e é uma grande “força motora” do desenvolvimento de Montalegre, que é também conhecida com a “capital do misticismo”.

“Acima de tudo, esperamos uma grande enchente, uma grande participação e envolvimento de todos aqueles que se deixam enlear nestas coisas do misticismo e na exaltação da vida”, afirmou ontem à agência Lusa Orlando Alves.
A “noite das bruxas”, que começou a ser celebrada em 2002, tornou-se num dos principais eventos deste município, a par com a Feira do Fumeiro, que se realiza em Janeiro.

“O retorno é visível, é imenso. Nos dias em que a festa propriamente dita tem lugar, Montalegre entope completamente, não tem capacidade para dar guarida a todos os que nos visitam e é por isso que os restaurantes da periferia estão todos lotados, com reflexos notórios também na hotelaria dos concelhos vizinhos de Boticas e Chaves”, salientou o autarca. Orlando Alves frisou que este “é um acontecimento transversal a todo o território, nomeadamente ao Alto Tâmega” e destacou “o reconhecimento” e apoio concedido pela entidade de Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP). “Em cada edição, o Município investe entre 150 mil euros a 180 mil euros. É um contributo que vem sempre em boa hora, mas, mais importante que o valor monetário, é o reconhecimento de que este é um evento com carisma e é mobilizador”, frisou.

Em Setembro, a TPNP estabeleceu com a Câmara de Montalegre um acordo de cooperação que passa por apoiar com 50 mil euros a realização das duas sexta-feiras, 13 deste ano.
A festa em Montalegre arranca às 13.13 horas e o ponto alto continua a ser protagonizado pelo padre António Fontes, a quem cabe fazer a tradicional queimada que “esconjura todos os males”.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.