Correio do Minho

Braga, sábado

Municípios de fronteira contra fuga dos fundos de cooperação
Comunidades vão criar e gerir agenda com o apoio do município de Famalicão

Municípios de fronteira contra fuga dos fundos de cooperação

Estatísticas confirmam ímpeto empreendedor de Famalicão

Alto Minho

2018-06-13 às 06h00

José Paulo Silva

Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial do Rio Minho anunciou a realização, em Valença, de um forum para definir a estratégia conjunta do território.

Apenas 20 a 25 % das verbas do Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal (POCTEP) são aplicadas nos territórios de fronteira. A denúncia foi feita ontem pelo presidente da Câmara Municipal de Valença, Jorge Mendes, na apresentação do I Fórum do Rio Minho, iniciativa da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, Deputación de Pontevedra e Fundação Centro de Estudos Eurorregionais (FCEER).
Na iniciativa, que decorre dia 21 de Junho, na Escola Superior de Ciências Empresariais, em Valença, será apresentada a proposta de uma estratégia de cooperação inteligente do rio Minho transfronteiriço, documento que inclui uma análise territorial da incidência dos projectos financiados pela União Europeia entre 2007 e 2013 na eurorregião Galiza-Norte de Portugal.

Valerià Paül, director da FCEER, adiantou, em conferência de imprensa realizada nas instalações da Comunidade Intermunicipal do Alto Minho, que “o espaço da raia não foi especialmente beneficiado” com os fundos da União Europeia destinados ao desenvolvimento das regiões transfronteiriças.
Uxío Benítez Fernández, deputado de Cooperación Transfronteiriza e director do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho, precisou que no Fórum serão apresentados dados que provam que os financiamentos comunitários destinados às zonas transfronteiriças “estão a ser deturpados” e desviados para outros territórios.

“As fronteiras são os territórios mais marginalizados pela União Europeia”, concluiu este responsável, pelo que os 16 concelhos galegos e os 10 do Alto Minho que compõem o AECT querem posicionar-se, desde já, com um plano de cooperação que justifique projectos passíveis de serem financiados no próximo programa comunitário.
O Fórum do dia 21 apresentará as bases de cooperação inteligente, aberta a contributos da sociedade civil até ao final do ano, altura que será aprovada a versão final de um documento que Uxío Benítez Fernández classificou de “histórico” por abordar, pela primeira vez, uma estratégia de desenvolvimento comum aos concelhos fronteiriços do Alto Minho e da Galiza.

“Este estudo é fundamental para preparar candidaturas a programas europeus”, sublinhou o presidente da Câmara Municipal de Valença, apreensivo com a deriva de fundos do POCTEP para concelhos tão distantes da fronteira como Arouca ou Figueira da Foz ou para instituições universitárias e de investigação como o INL, em Braga.
O director da FCEER precisa que, analisando os “chefes de fila” dos projectos aprovados no âmbito do POCTEP, constata-se que “muitos deles estão muito longe da fronteira”.

Debate de uma estratégia de cooperação com especialistas de quatro universidades

O I Fórum do Rio Minho é uma actividade enquadrada no projecto Smart Minho -Estratégia de Cooperação Inteligente do Rio Minho Transfronteiriço, cofinanciado pelo Programa Operacional de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal (POCTEP). O programa divide-se em quatro mesas temáticas: ‘Os sectores produtivos’, ‘A governança no território transfronteiriço’, ‘Cultura e comércio tradicional e ‘A mobilidade, os serviços e o turismo sustentável e o comércio tradicional’, coordenadas por especialistas das universidades do Minho, Vigo, Santiago de Compostela e Porto.

Valerià Paül, director da FCEE, apresentará uma ‘Análise territorial da incidência dos projectos Interreg no período 2007-2013 na Eurorregião Galiza-Norte de Portugal.
Uxío Benítez Fernández, deputado e director da AECT Rio Minho, divulgará ‘As bases da estratégia de cooperação do Rio Minho’.
O documento base da estratégia de cooperação inteligente do Rio Minho será divulgado por Manuel Rodríguez, investigador da FCEER.
Jorge Mendes, presidente da Câmara Municipal de Valença, Salustiano Mato, presidente da FEER, Maria del Carmen Silva Rego, presidente da Deputación de Pontevedra, e José Maria Costa, presidente da Comuni-dade Intermunicipal do Alto-Minho, estão na sessão de abertura.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.