Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Reabilitação de solos e linhas de água afectados pelo incêndio concluída até ao fim do ano
‘Cadastro simplicado’ identifica território de Caminha

Reabilitação de solos e linhas de água afectados pelo incêndio concluída até ao fim do ano

Rúben Neves: “Entramos sempre para ganhar”

Braga

2018-10-20 às 06h00

Marlene Cerqueira

Trabalhos de reabilitação de solos e linhas de água afectados pelo incêndio de 15 de Outubro de 2017 decorrem a bom ritmo e devem ficar concluídos até ao final do ano. Ricardo Rio e Altino Bessa visitaram ontem as intervenções em curso.

Se as condições meteorológicas se mantiverem favoráveis, os trabalhos de protecção dos recursos hídricos das zonas afectadas pelos incêndios ficam concluídos até ao final do ano. Ontem, o presidente da Câmara, Ricardo Rio, e o vereador do Ambiente, Altino Bessa, realizaram uma visita aos trabalhos no terreno, uma iniciativa que contou ainda com outras entidades como os presidentes das juntas de Esporões e da UF de Nogueira, Fraião e Lamaçães.

O vereador do Ambiente recordou que após o incêndio florestal de 15 de Outubro do ano passado, que assolou o concelho de Braga numa área ardida de cerca de mil hectares, o espaço florestal ficou desprovido de vegetação, afectando as linhas de água a jusante da área queimada. Com base neste acontecimento, o Município realizou logo após esta catástrofe um relatório sobre o impacto deste incidente e encaminhou para a APA e ICNF o relatório na expectativa de obtenção de financiamento. “Fomos o primeiro município a fazê-lo”, recordou Altino Bessa, ontem, aos jornalistas. Lembrou ainda que nessa sequência, o Município obteve financiamento do Fundo Ambiental para uma intervenção que visa proteger as encostas e recuperar o regime hidrológico das linhas de água, entre outras medidas de protecção.
A visita de ontem teve precisamente a finalidade de aferir o andamento dos trabalhos nas áreas afectadas pelos incêndios.

Após o reconhecimento do terreno, foi realizado o controle químico das espécies exóticas (invasoras) existentes, concretamente eucaliptos e acácias (mimosas). Posteriormente procedeu-se ao corte dessas espécies e ao afastamento dos sobrantes das linhas de água para não haver arrastamento de material.
Nesta fase dos trabalhos está a proceder-se à poda das espécies autóctones que sobreviveram às chamas, com excepção dos sobreiros
Irá seguir-se a fase de reflorestação que consistirá na plantação de árvores autóctenes variadas, entre elas carvalhos, sobreiros, pinheiros, seixos, entre outros. O objectivo é terminar os trabalhos até ao fim do ano.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.