Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Redes de repositórios científicos alinham estratégia mundial
Pirilampo volta a 'acender' a magia da solidariedade dos bracarenses

Redes de repositórios científicos alinham estratégia mundial

Cerveira foi capital da leitura do Alto Minho

Ensino

2017-05-13 às 19h06

Redacção

ELOY RODRIGUES, director dos Serviços de Documentação da UMinho, lidera a Confederação Mundial de Repositórios de Acesso Aberto. Entidade assinou protocolo para “melhor alinhamento” das redes.

A Confederação Mundial de Repositórios de Acesso Aberto (COAR), liderada pelo português Eloy Rodrigues, da Universidade do Minho (UMinho), promoveu um acordo para o “melhor alinhamento” das redes de repositórios científicos e académicos em todo o mundo. O documento foi assinado em Veneza, Itália, na reunião do COAR, com representantes de África do Sul, América Latina, Austrália, Canadá, China, EUA, Europa e Japão.
“Temos a visão comum de uma infraestrutura de Ciência Aberta distribuída e baseada na comunidade, a nível mundial. Mas para alcançar esta visão temos que trabalhar ainda mais juntos”, referiu Eloy Rodrigues, que é também director dos Serviços de Documentação da UMinho.
Nas próximas semanas serão definidos entre os parceiros os vários níveis de colaboração, “para posicionar os repositórios como a base de um espaço de conhecimento global e comum”, adiantou ainda aquele responsável.
O objectivo é estreitar as relações entre redes de repositórios nacionais e regionais, identificando princípios comuns e áreas de colaboração que conduzirão ao desenvolvimento de serviços globais. A iniciativa visa ainda enquadrar actividades específicas como a troca de metadados entre diferentes redes ou a adopção/ implementação de directrizes, interfaces e funcionalidades partilhadas.
Os milhares de repositórios existentes em todo o mundo têm um papel crescente no apoio ao Acesso Aberto e à Ciência Aberta.
Oferecem acesso a artigos científicos, a dados de investigação e a outros conteúdos, em redes nacionais e regionais com directrizes e serviços virados para as suas comunidades. No entanto, face à natureza internacional da investigação científica, “é fundamental trabalharem em conjunto para garantir em simultâneo a sua interoperabilidade transnacional”, realçou Eloy Rodrigues.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.