Correio do Minho

Braga,

Territórios Dramáticos encerra com argila, Shakespeare e abóboras
Sem gigantones e cabeçudos o S. João de Braga não seria o mesmo

Territórios Dramáticos encerra com argila, Shakespeare e abóboras

Quinta de Pentieiros acolheu mais uma edição do “Acampamento Natureza e Mundo Rural”

Vale do Ave

2019-05-21 às 20h17

Redacção

Terceira edição do Encontro termina este fim de semana, com espetáculos de teatro, concertos e propostas para toda a família

É já esta sexta-feira que tem início o último fim de semana do Territórios Dramáticos. Durante três dias, a Vila de Joane, em Famalicão, volta a encher-se de espetáculos que pretendem reinventar espaços e levar o teatro aos recantos mais inusitados da Vila. A abrir este último fim de semana, o Teatro da Didascália – responsável pela organização do Encontro – vai apresentar, na sexta-feira, às 21h30, a sua mais recente criação “Argila: no princípio era o Verbo”.
 
A companhia pretende transformar o palco do Auditório da Associação Teatro Construção (ATC) numa gigante roda de oleiro, com 500 quilos de argila. O espetáculo é uma criação de Bruno Martins – encenador e diretor artístico do Teatro da Didascália e do Territórios Dramáticos – e representa o desejo de transpor nos corpos e no movimento dos intérpretes a dança hipnótica e ritualista das mãos do oleiro. Na segunda-feira, dia 27 de maio, “Argila: no princípio era o Verbo” é apresentado às escolas de Joane.
 
Shakespeare pela mão do Teatro Experimental do Porto
No sábado, às 21h30, o Teatro Experimental do Porto vai apresentar, no fAUNA – espaço do Teatro da Didascália –, a peça “O Dia da matança na história de Hamlet”. O espetáculo é uma versão condensada do clássico de Shakespeare e uma encenação de Bernard-Marie Koltès, um dos dramaturgos mais significativos da segunda metade do século XX.
 
Aliar a gastronomia à música e ao teatro
Pensado para toda a família, o último dia do Territórios Dramáticos vai receber, às 16h00, no fAUNA, o projeto satélite da Circolando “Sopa de Jerimu”, com Graça Ochoa, em que as abóboras assumem o papel principal. A partir desse alimento, os chefs Liliana Duarte e Álvaro Dinis Mendes, do espaço Cor de Tangerina, vão confecionar iguarias gastronómicas. A edição deste ano encerra com o concerto “Música da época #1”, um projeto de Pedro Oliveira, autor do álbum “Clifton Bridges Landscapes”, sob o alter-ego de “Krake”. 

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.