Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +
Universidade do Minho integra Centro UNESCO
Nomeados para Melhor Treinador da Gala de Braga

Universidade do Minho integra Centro UNESCO

Cabreiros e Dumiense empatam num jogo onde faltou eficácia

Universidade do Minho integra Centro UNESCO

Ensino

2019-07-27 às 06h00

Redacção Redacção

Consórcio de Escolas de Engenharia assinou protocolos com a Fundação para a Ciência e Tecnologia e a Direcção Geral de Ensino Superior, com vista à criação do Centro UNESCO. Novo organismo permite reestruturar o ensino da engenharia

A Universidade do Minho integra o Consórcio de Escolas de Engenharia (CEE) e assinou esta semana, em Lisboa, protocolos de colaboração com a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e a Direcção-Geral de Ensino Superior (DGES).
Na cerimónia foi protocolada a criação do Centro UNESCO, que pretende para já apoiar com 100 bolsas de doutoramento a formação de docentes e investigadores africanos em países de língua portuguesa, de forma a capacitar as suas instituições de origem. Este projecto envolve o CEE, o Consórcio de Escolas de Ciências Agrárias e a FCT.

 O CEE assinou também um protocolo de cooperação com a DGES, que visa estimular a modernização progressiva e a reestruturação do ensino de engenharia no contexto universitário europeu.
A cerimónia contou com o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e os homólogos de Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde, respectivamente Rosário Sambo, Daurtarin Costa e Maritza Peña.
 O evento serviu ainda para oficializar o CEE, que reúne as principais escolas da área em Portugal: a Escola de Engenharia da UMinho (EEUM), a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, o Instituto Superior Técnico e a Universidade de Aveiro.

 Para o presidente da EEUM, João L. Monteiro, este Consórcio reveste-se de especial importância para as seis escolas parceiras: “A nível nacional permitirá, no curto prazo, trabalhar na reformulação dos cursos de Engenharia conforme imposição legal, mas assegurando um consenso mais alargado que permita maior equilíbrio do ensino nas diferentes regiões do país, recusando o foco na especialização de cada instituição, apostando assim na manutenção e no crescimento de formas de cooperação que garantam o ensino universitário em múltiplas áreas de engenharia disseminado pelo país”. Já a nível internacional, acrescentou o responsável, “é a primeira iniciativa conjunta destas escolas para colaborarem na capacitação do corpo docente de países africanos.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.