Correio do Minho

Braga, sábado

- +

A Educação como Caminho para a Redução do Desperdício Alimentar

Adaptar Turismo – tempo de mudar o chip

A Educação como Caminho para a Redução  do Desperdício Alimentar

Ideias

2021-09-30 às 06h00

Isabel Estrada Carvalhais Isabel Estrada Carvalhais

Na União Europeia vivemos numa incoerência alimentar constante: se por um lado temos excesso e desperdício alimentar, por outro lado, mais de 70 milhões de europeus vivem em situação de insegurança alimentar moderada ou grave. A escassez que testemunhamos em paralelo com o excesso, é uma das maiores ineficiências do nosso sistema alimentar. Na UE, cerca de 20% dos alimentos produzidos são perdidos ou desperdiçados, com as nossas casas a serem o principal espaço promotor desta tremenda ineficiência. O combate ao desperdício tem por isso de passar por um aumento da literacia alimentar e por uma aposta mais coerente e sistemática na educação para práticas de boa gestão de um dos recursos mais valiosos: a comida.
Com isto em mente, patrocinei a tradução para a Língua Portuguesa de quatro manuais didáticos da FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) sobre a redução do desperdício alimentar, em colaboração com o Ministério da Agricultura. Estes manuais foram elaborados de forma a serem compatíveis com quatro diferentes fases de desenvolvimento de crianças e jovens.
A junção de informação baseada em evidência, com o exercício do pensamento crítico no contexto educacional, é certamente um caminho seguro para que as nossas crianças e jovens cresçam com um apurado sentido de cidadania, e saibam elas mesmas criar respostas inovadoras na prevenção futura do desperdício de alimentos.
Quando aderiu ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 12.3, a UE assumiu o compromisso internacional de reduzir pela metade o desperdício alimentar global per capita e reduzir as perdas de alimentos ao longo da cadeia alimentar, até 2030. O caminho até este objetivo tem-se revelado demasiado lento, sendo que talvez o tempo seja um luxo de que não dispomos em abundância.
É tempo de acelerar a transformação da nossa relação com os alimentos, e a chave para o combate ao seu desperdício é a prevenção, pelo que iniciativas de orientação ativa sobre os impactos ambientais e socioeconómicos do desperdício e perda de alimentos, são deveras importantes. Agora que temos os manuais disponíveis no sítio e plataforma digital da FAO, temos de garantir que chegam até aos nossos professores, educadores, encarregados de educação, crianças e jovens! Da minha parte, continuarei a trabalhar para isso, fomentando parcerias que possibilitem a utilização destes manuais, não só em Portugal, como nos países de língua oficial Portuguesa.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho