Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +

A Engenharia Geoinformática para a gestão ambiental e governança territorial

Dois pesos e duas medidas

A Engenharia Geoinformática para a gestão ambiental e governança territorial

Ensino

2020-05-06 às 06h00

Joaquim Mamede Alonso Joaquim Mamede Alonso

As intensas mudanças ambientais associadas à globalização social e económica, às alterações climáticas, às dinâmicas populacionais, demográficas e económicas resultam em estados e desafios consideráveis atuais e futuros para a promoção da qualidade de vida e do ambiente, a Habitabilidade Global. Estes processos sociais e desafios ambientais relacionam-se com o aumento das exigências e dos impactes sobre os ciclos biogeoquímicos naturais pelo Homem, em particular em espaços de elevada concentração humana, complexidade ecológica e sensibilidade ambiental.

A capacidade de promoção da qualidade de vida e do Ambiente em contextos de procura por espaços e recursos naturais finitos implica o desenvolvimento (investigação) e aplicação (inovação e empreendedorismo) de processos e práticas sustentáveis a partir dos sistemas de gestão do conhecimento (digital). A codificação e a digitalização dos dados facilitam a sistematização e a mobilidade da informação, com reflexos positivos na comunicação e intensidade dos ciclos de geração de conhecimento, aprendizagem e capacitação individual, organizacional e territorial.

Neste contexto, os novos paradigmas da Terra Digital incluem a recolha e processamento de dados espacialmente explícitos (georeferenciados) históricos (geologia, solos, ocupação..), mas acima de tudo, obtidos por sensores na superfície da terra (ex. estações climáticas, qualidade do ar,…), aéreos (UAVs, drones) ou espaciais (GPS; satélites) em quantidade e qualidade crescente permitem a observação, a monitorização e a atuação sobre os sistemas socio-ecológicos.

As necessidades societais e as oportunidades abertas pelo desenvolvimento dos Sistemas de informação e tecnologias de informação (geográfica) resultam numa nova área de conhecimento, a Geomática, e das respetivas áreas tecnológicas e aplicação, a (Engenharia) Geoinformática. As ciências espaciais (Geodesia e Geografia) e da Terra (Geociências) utilizam a (Engenharia) Informática para resolver problemas complexos e aproveitar as atuais oportunidades individuais e coletivas. A Geoinformática é descrita como a "ciência e tecnologia que lida com a aquisição, armazenamento, produção, processamento, apresentação e disseminação da informação geográfica, incluindo a infraestrutura necessária para assegurar o uso desta informação". E novas dinâmicas e realidades exigem a capacitação e a adaptação da sociedade, incluindo o desenvolvimento de novas licenciaturas. Neste contexto, o Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) através da Escola Superior Agraria (ESA) em colaboração com a Escola Superior de Tecnologia e Gestão apresenta, pelo segundo ano letivo, a licenciatura em Engenharia do Ambiente e Geoinformática (http://www.ipvc.pt/engenharia-ambiente-geoinformatica). Com base numa experiência de 20 anos de ensino superior em Engenharia do Ambiente e Engenharia Informática, esta nova oferta formativa inclui os recursos humanos qualificados e os materiais da Unidades de Investigação e dos Sistemas de Informação Territorial do IPVC.

A licenciatura em Engenharia Geoinformática e do Ambiente é uma formação técnico-científica profissionalizante:

i) em geodesia, cartografia e topografia, sistemas de posicionamento global e processamento de imagens aéreas e espaciais, em gestão de base de dados e desenvolvimento de aplicações WEBSIG;
ii) na relação com as ciências do ambiente e análise de sistemas ambientais;
iii) aplicada em tecnologias, instrumentos e processos de gestão de qualidade ambiental bem como, no desenvolvimento, planeamento e ordenamento contribuintes da sustentabilidade territorial. Os conhecimentos, competências e atitudes pessoais desenvolvidas com os parceiros (Empresas e a Administração) promovem o empreendedorismo social e empresarial e um perfil profissional coerente dos profissionais para um conjunto alargado de áreas de saídas profissionais (http://www.ipvc.pt/engenharia-ambiente-geoinformatica-saidas).

A Engenharia Geoinformática é um contribuinte estratégico para o desenvolvimento científico e tecnológico global, um catalisador de soluções técnico-científicas e promotor de economia de conhecimento regional e local. A produção de dados, o desenvolvimento de técnicas e de tecnologias aplicadas para desenvolver ou melhorar processos acrescentam inteligência territorial, geram novas economias, oportunidades de empreendedorismo e de emprego associadas a novas formas de participação e responsabilização individual/social.

Deixa o teu comentário

Últimas Ensino

23 Setembro 2020

#umcafécomdesign

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho