Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +

A pandemia está a alterar negativamente a nossa mente – como combater?

Gerir trabalho docente presencial / ensino à distância simultâneo

A pandemia está a alterar negativamente a nossa mente – como combater?

Voz à Saúde

2021-01-26 às 06h00

Ricardo Pinto Ricardo Pinto

Provavelmente, no decurso do último ano, o seu cérebro já sofreu alterações, independentemente de ter, ou não, contraído COVID-19. É conhecido que o vírus pode causar distintas problemáticas neurológicas, assim como depressão, stress e ansiedade, onde a preocupação e isolamento subsequentes possuem um papel fulcral nas alterações químicas cerebrais, podendo originar, por exemplo, perturbações de humor.
Posto isto, como podemos superar as alterações mentais associadas à pandemia?
Como já é conhecido, a infeção possui inúmeros sintomas físicos e psicológicos, sendo os mais comuns febre, dores corporais, fadiga, tosse, perda de paladar e olfato, problemas atencionais e de memória.
A vantagem do nosso cérebro é que este possui uma competência chamada plasticidade cerebral, que se resume a uma capacidade de compensar e/ou reverter danos causados, como os produzidos por depressões ou perdas de memória.
Exercícios de atenção plena (Mindfulness) – um estado mental que se caracteriza pela autorregulação da atenção para a experiência presente – são imensamente úteis contra o stress e ansiedade, com evidência comprovada das alterações funcionais benéficas no nosso cérebro, como um aumento da densidade da massa cinzenta (tecido que contém a maioria dos corpos celulares do cérebro e um componente-chave do sistema nervoso central).
Num outro ponto, a estimulação cognitiva gamificada – do inglês gamification, que é o uso de mecânicas e características de jogos para ajustar, motivar comportamentos e facilitar a aprendizagem de pessoas em situações reais, tornando conteúdos densos em materiais mais acessíveis – auxilia em funções cognitivas como a memória, melhora a atenção e aumenta a motivação. Para pessoas que apresentam sintomas persistentes ou graves de saúde mental, aconselha-se requerer uma avaliação clínica por parte de um profissional indicado, existindo tratamentos farmacológicos e psicológicos disponíveis, como antidepressivos e psicoterapia.
Uma vez que diversos países ainda se encontram em confinamento, como o nosso de momento e o acesso à saúde encontra-se cada vez mais comprometido, existem mecanismos na atualidade, como aplicações móveis (apps) que podem ser adotados e integrados no nosso dia-a-dia, com alta componente promissora. Como exemplo, smartphones e smartwatches já possuem aplicações que monitorizam a frequência cardíaca ou os padrões de sono, notificando a pessoa quando esta necessita de exercitar, sono extra ou estratégias para uma noite mais recuperadora e até quando poderia beneficiar de atividades como meditação, que auxilia e combate estados de stress e ansiedade.
Concluindo, as técnicas descritas são benéficas a todas as pessoas, com elevado auxílio no treino da resiliência cognitiva e promovendo uma boa saúde mental. Pode ser imprescindível a busca de atendimento psicológico e/ou psiquiátrico on-line para avaliação, diagnóstico e orientação. A intervenção precoce é importante para mitigar o sofrimento e prevenir o desenvolvimento de perturbações.
Lembre-se, cuide de Si! Cuide da Sua saúde!

Deixa o teu comentário

Últimas Voz à Saúde

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho