Correio do Minho

Braga,

- +

Árvore Europeia do Ano em Braga

Onde está o meu peixe

Escreve quem sabe

2020-11-13 às 06h00

Rui Ferreira Rui Ferreira

O Património, conceito especialmente cultivado a partir da Revolução Francesa, e especialmente fortalecido após a 2.ª Guerra Mundial, revela-se como dimensão essencial na salvaguarda da memória coletiva de uma comunidade. No entanto, o património não está limitado aos monu- mentos. Além do património imóvel, hoje sabemos que o património também pode ser móvel, geológico, e até imaterial. E se lhe dissesse que as árvores também podem ser reconhecidas como património e são dignas até de classificação, tal como os monumentos?
Neste âmbito, a França foi um dos países pioneiros, tendo instituído em 2 de maio de 1930 uma lei que levou à proteção de monumentos naturais. A Convenção para a Proteção do Património Mundial, Cultural e Natural seria adotada pela UNESCO apenas em 1972. Portugal aderiu a esta Convenção ano de 1979, consagrando os seus princípios na nossa legislação, no mesmo período em que instituiu também os parques e reservas naturais.
Mesmo tratando-se de um bem finito, o reconhecimento público do património natural, nomeadamente as árvores, convoca as sociedades, não apenas para a sua proteção legal e inventariação, como convoca as pessoas para um maior envolvimento na sua salvaguarda e divulgação.
Por isso mesmo, em Portugal possuímos um Registo Nacional do Arvoredo de Interesse Público que integra “exemplares isolados ou conjuntos arbóreos que, pela sua representatividade, raridade, porte, idade, historial, significado cultural ou enquadramento paisagístico”, possam ser considerados de relevante interesse público e se recomenda a sua cuidadosa conservação.
No território bracarense já existem nove árvores classificadas. Na cerca do Mosteiro de Tibães dois cedros do Himalaia e um pinheiro-bravo bicentenário; no Bom Jesus do Monte, um plátano na mata do santuário e um carvalho-alvarinho junto à Estação do Ascensor; e um sobreiro e dois carvalhos-alvarinho no jardim junto à Capela de Santa Tecla, em São Victor. Todavia, a mais majestosa e ancestral árvore bracarense integrada no Registo Nacional do Arvoredo de Interesse Público é o tulipeiro da Virgínia que, do alto dos seus 27 metros de altura e quase 300 anos de existência, está implantado no Jardim do Museu dos Biscainhos.
Esta árvore exótica, natural do leste da América do Norte, um género de plantas com flor pertencente à família Magnoliaceae, que está associada à aristocracia nortenha na região do Minho, que fomentou a sua implantação no território. Com esta ancestralidade só existem em Portugal três exemplares, um no Porto e dois na cidade de Braga, um no jardim da Casa do Passadiço e o já citado exemplar nos Biscainhos.
Associada a um dos mais relevantes exemplares da arquitetura civil bracarense, esta árvore encontra-se implantada num dos mais importantes jardins barrocos portugueses. No ano em que celebramos especialmente André Soares, artista que deixou a sua marca bem vincada no mesmo jardim, podemos certamente afirmar que terá contemplado o jovem tulipeiro da Virgínia que hoje podemos admirar.
Esta árvore, que marca indelevelmente a paisagem do coração braguês, é uma das árvores finalistas para representar Portugal no concurso europeu “Tree of the Year 2021” (Árvore do ano 2021).
A nível nacional, o concurso é organizado pela União da Floresta Mediterrânica, que habilita a árvore portuguesa vencedora a concorrer à votação para a Árvore Europeia do Ano. O concurso da Árvore Europeia do Ano surgiu em 2011 e foi inspirado num popular concurso organizado pela República Checa. Desde então, o número de países envolvidos nesta competição tem vindo a aumentar, sendo o concurso europeu constituído pelos vencedores dos diferentes concursos nacionais.
O concurso pretende destacar a importância das árvores antigas na herança cultural e natural, não se focando apenas na beleza, no tamanho ou na idade da árvore, mas sim na sua relação com a comunidade. A votação online decorre até 23 de novembro em https://portugal.treeoftheyear.eu/Vote. Todos os bracarenses estão, pois, convocados para ajudar a fazer do Tulipeiro dos Biscainhos a Árvore Europeia do Ano.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho