Correio do Minho

Braga, sábado

- +

As Bibliotecas e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (II)

Reflexões abertas à sociedade portuguesa

As Bibliotecas e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável (II)

Ideias

2020-01-09 às 06h00

Rui A. Faria Viana Rui A. Faria Viana

Na crónica anterior referimo-nos à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e aos 17 ODS (Objectivos de Desenvolvimento Sustentável) que devem ser concretizados em 193 países até 2030. Mas como podem as bibliotecas promover a Agenda 2030 e contribuir para a concretização destes objectivos? Esta foi a questão que deixámos em aberto. A resposta surge-nos através da IFLA (Federação Internacional de Associações de Bibliotecas e Instituições) que elaborou um documento que hoje divulgamos. Assim, as bibliotecas apoiam a concretização destes objectivos do seguinte modo:
1 (Erradicação da pobreza) – Acesso público à informação e recursos que geram oportunidades para melhorar a vida das pessoas; capacitação para adquirir novas habilidades necessárias para a educação e o emprego; informação para apoiar o processo de tomada de decisões para combater a pobreza por parte dos governos, da sociedade civil e do sector empresarial.
2 (Fome zero e agricultura sustentável) – Pesquisas e dados agrícolas para que os cultivos sejam mais produtivos e sustentáveis; acesso público para produtores agrícolas a recursos em rede, como, por exemplo, preços de mercado local, informações meteorológicas e novos equipamentos.
3 (Saúde e bem-estar) – Pesquisas disponíveis em bibliotecas médicas e hospitalares que apoiem a educação e melhorem a prática médica dos prestadores de cuidados médicos; acesso público a informação sobre saúde e bem-estar nas bibliotecas públicas para contribuir que todas as pessoas e famílias sejam saudáveis.
4 (Educação de qualidade) – Equipas dedicadas que apoiem a educação na primeira infância; acesso à informação e à pesquisa para estudantes em todo o mundo; espaços inclusivos onde os custos não sejam uma barreira para adquirir novos conhecimentos e habilidades.
5 (Igualdade de género) – Espaços de encontro seguros e agradáveis; programas e serviços pensados para satisfazer as necessidades de mulheres e meninas como direito e saúde; acesso à informação e tecnologias que permitam as mulheres desenvolver habilidades no mundo dos negócios.
6 (Água potável e saneamento) – Acesso à informação de qualidade sobre boas práticas que permitam desenvolver projectos locais de gestão da água e saneamento;
7 (Energia limpa e acessível) Acesso livre e seguro a electricidade e iluminação para ler, estudar e trabalhar.
8 (Trabalho decente e crescimento económico) – Acesso à informação e capacitação para desenvolver habilidades que as pessoas necessitem para encontrar melhores postos de trabalhos, candidatar-se a eles e ter sucesso em melhores empregos.
9 (Indústria, inovação e infraestruturas) – Uma ampla estrutura de bibliotecas públicas, especializadas e universitárias e com profissionais qualificados; espaços agradáveis e inclusivos; acesso a TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação), como por exemplo, com internet de alta velocidade que não se encontra disponível em todo o lugar.
10 (Redução das desigualdades) - Espaços neutros e agradáveis que permitam a aprendizagem para todos, incluindo os grupos marginalizados, como os imigrantes, os refugiados, as minorias, os povos indígenas e pessoas com deficiência; acesso equitativo à informação que promova a inclusão social, política e económica.
11 (Cidades e comunidades sustentáveis) – Instituições confiáveis dedicadas a promover a inclusão e o intercâmbio cultural;
Documentação e conservação do património cultural para as futuras gerações.
12 (Consumo e produção responsáveis), 13 (Acção contra a mudança geral do clima), 14 (Vida na água) e 15 (Vida terrestre) – Um sistema sustentável de intercâmbio e circulação de materiais que reduza a geração de resíduos; registos históricos sobre mudanças costeiras e utilização da terra; pesquisa e produção de dados necessários para elaboração de políticas de mudanças climáticas; acesso a informações necessárias para orientar os tomadores de decisão por parte dos governos locais ou nacionais sobre temas como: caça, pesca, uso da terra e gestão da água.
16 (Paz, justiça e instituições eficazes) – Acesso público à informação sobre o governo, a sociedade civil e outras instituições; capacitação de habilidades necessárias para compreender e utilizar esta informação; espaços inclusivos e politicamente neutros para que as pessoas possam reunir-se e orga- nizar-se.
17 (Parcerias e meios de implementação) – Uma rede de instituições baseadas nas comunidades que formam os planos de desenvolvimento locais.
É, portanto, através da adopção das medidas enumeradas que as bibliotecas podem contribuir para ajudar na concretização dos 17 ODS e da Agenda 2030.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho