Correio do Minho

Braga, terça-feira

As flores no meu jardim

Sem Confiança perde-se a credibilidade

Conta o Leitor

2011-07-14 às 06h00

Escritor

Por André Araújo

No meu jardim, velho e sem vida onde reside só água e tristes flores que não possuem mais nada para além de lágrimas de tristeza. Tristeza essa largada no medo deste infinito campo, tenho varias flores todas elas tristes e sem vida, sem amor, sem alguma expressão de carinho, procuram algo, algo que lhes é negado, algo que lhes é preso, elas querem atenção, procuram todos os dias um pouco de atenção por parte de alguém, mas quem... Quem será esse alguém que procuram! Não sei... Estão murchas, não pelo facto de não terem água, mas sim pelo facto de não terem quem as ame, foram abandonadas renegadas, desprezadas e ignoradas. Levaram palavras, actos e feitos que não mereciam, são flores...Algo belo e vivo, algo que chora quando alguém, algo que espera um sorriso, só querem...só querem...ser felizes, querem encontrar nesta campo algo que lhes faça voltar a ser como eram, será que é só para chamarem a atenção, ou porque realmente se sentem sós, não sei, sei sim que estão quase a cair de tanta tristeza, essa tristeza que penetra nos seus poros e vai até ai caule e que penetra no seu belo e pequeno coração, esse coração chora, porque está triste, chora porque se sente doente, chora porque não tem ninguém para com quem partilhar as suas emoções... Elas necessitam de alguém, alguém que não lhes rege com água, mas sim com amor, são flores com sentimentos onde o maior é a tristeza, onde paira no ar a infelicidade e a solidão, onde vagueia pelas suas veias este medo de acabaram só... Não tenho um jardim, mas sim um campo cheio de silveiras e outras plantas que ofuscam o olhar das minhas, não tenho um jardim com amor, mas sim com saudade e tristeza, não tenho mais plantas metafóricas que crescem e pairam pelo ar do meu jardim, mas sim plantas personificadas que tentam cavar na sua vida um caminho, não sei qual é o caminho que estão a cavar, sei sim que querem mudar, querem crescer. As flores do meu jardim são assim murchas e sem amor, com muita água, mas ainda com mais mágoa, não entendo porque estão assim, as flores do meu jardim, sentem-se tristes sentem-se desumanas as vezes pensam que o que lhes é dito nunca é verdade, falam entre si, discutem entre si falam do verdadeiro amor… Choram pela falta de amor sentem-se algo fora do mundo, as flores do meu jardim são assim, flores sem amor, caem de tanta mágoa e desaparecem sem deixar rasto, sem deixar um pinga de felicidade, as flores do meu jardim são assim, mal amadas e renegadas e por isso desistem…desistem sem deixarem rasto sem deixarem algo que as faça voltar atrás…as flores do meu jardim são assim…

Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2018

Ingratidão

30 Agosto 2018

Humanum Amare Est

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.