Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Chorar faz bem

Amarelos há muitos...

Escreve quem sabe

2016-02-28 às 06h00

Joana Silva

Todos nós crescemos a ouvir a expressão “Chorar faz bem!”. A tristeza é uma das emoções primárias com a qual nascemos e o ato de chorar, nada mais nada menos é, uma das formas de expressar-mos essa emoção.

Analogamente a vida é semelhante a um puzzle que fica completo conforme as peças se vão encaixando. Acontece, por vezes, que descobrimos que aquela peça que parecia ter o encaixe perfeito, na verdade, não o tem. Aprendizagens, tentativas e erros, assim é a vida! Pode não ser um especialista em psicologia do comportamento mas com certeza que consegue perceber/sentir quando é um choro “fictício” de um choro que arrebate a alma.

Chora-se quando se está triste, por insatisfação pessoal seja na dinâmica laboral (ex. um emprego que não preenche emocionalmente); na dinâmica pessoal (ex. conflitos e incompreensão no casal); ou nos contextos, económico-sociais (ex. não possuir meios económicos para a ida a uma consulta de especialidade).

Por outro lado, também há o choro de alegria, o sentimento de um contentamento tão grande que é maior do que o coração. Aqui cabem todas as memórias de sacrifícios, períodos de desmotivação ou falta de energia, pensamentos que contribuíram para alcance do sucesso ou objetivo pretendido. De certa forma, não nos impressionados quando uma criança chora.

Talvez porque, a sabedoria popular refira que o choro é uma das partes que compõem a linguagem infantil. Por outro lado, não ficamos indiferentes quando observamos um adulto que chora, sendo diferente se o adulto é do género feminino ou masculino. É como se culturalmente se decreta-se “O homem não chora” pois chorar é um sinal de fraqueza, insegurança, incompetência ou inaptidão para algo sobretudo para o sexo masculino.

Será que as vivências do sexo masculino, portanto, são diferentes do sexo feminino?! Não passam os mesmos pela vivência de problemas comuns a sexo feminino como por exemplo, o desemprego, conflitos interpessoais ou um problema de saúde?! Sabemos que sim, que é um fato. Logo não faz sentido, a diferença entre um sexo face a outro.

Todavia, o rotulo negativo não pertence exclusivamente ao género masculino, pois alguns ditados populares validam que “As mulheres choram muito.” Chorar é uma ato terapêutico e faz bem ao corpo, a mente e à alma. A grande diferença entre homens e mulheres reside na medida em que o sexo feminino externaliza os sentimentos (ex. “Hoje estou muito triste. O meu chefe implicou comigo sem motivo.) comparativamente com os sexo masculino que internaliza (ex. “Entra em casa calado e diz que não quer jantar… - Está tudo bem? (na verdade, está tudo mal). -Sim, está (sorri nervosamente)”.

Chorar alivia a tensão emocional e corporal ( sabia que algumas dores de cabeça são provocadas por justamente se reprimir emoções?) e a ansiedade, melhora o humor e sobretudo fortalece as relações interpessoais (aproxima pessoas).

Não tenha vergonha de chorar. O bem mais precioso da sua vida é você e todos sem exceção necessitam de uma mão que segure e de um coração que compreenda.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

11 Dezembro 2018

O conceito de Natal

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.