Correio do Minho

Braga,

- +

Cidadania/Ambiente

Cartas de saudade

Ideias

2011-04-27 às 06h00

Pedro Machado Pedro Machado

Nestes últimos tempos, temos repetidamente, conversas em que muito se fala da responsabilidade dos agentes públicos na situação actual do país. Sou daqueles que acho, lamentavelmente, que é tempo de olharmos para nós próprios. Creio que todos temos culpa, pois andamos sistematicamente a dizer e a felicitar os indivíduos “finos”, aquele que é “fino”.

Todos os políticos, salvo raras excepções, que são cada vez em menor número, foram políticos pela via profissional, via sindicatos ou carreira. Temos o exemplo de médicos, professores, metalúrgicos, advogados, engenheiros, economistas, empresários, gestores, gestores públicos, etc., que após reconhecido valor profissional, passaram para a política. Portanto, o espelho disto tudo, somos nós, já que a política é um aspecto transversal, patente em todas as áreas.

De facto, mesmo com a Revolução dos Cravos, continuamo-nos a esquecer que a culpa é da falta! Da falta de educação, da falta de cultura, da falta de civismo, da falta de respeito, perante nós mesmos e os outros. Queimam-se ecopontos e ninguém vê. Coloca-se lixo fora de horas e em dias sem recolha e ninguém vê. Basta! Basta desta falta de civismo que parece que nunca terá um fim.

Se todos formos co-responsáveis nos actos, por exemplo, em corrupção, seja desportiva, empresarial, privada, política, etc, para haver um lado prevaricado tem de haver um outro lado prevaricador.

Aí é que temos que ver o que falta. Somente chegaremos lá, se colocarmos muito ênfase na Educação e na Cidadania das gerações vindouras. Porque com esta maneira de pensar e agir, não vamos lá, e não chegaremos aos objectivos que a União Europeia propôs a Portugal e aos seus Países Membros. Mas a culpa é de todos! É minha, sua e de toda a gente.

Como é que é possível que ninguém veja a destruição e vandalização de tantos equipamentos/bens colocados na via pública, que são nossos?! Para os crimes ambientais serem castigados, é preciso denunciá-los. Quando um crime ambiental se torna notícia, geralmente pensa-se que pouco ou nada se pode fazer para remediar o que já está feito. Nada de mais errado! É preciso que estes crimes sejam denunciados, que entrem na ordem do dia, e sobretudo na consciência da população. Se ninguém o fizer e fecharmos os olhos, nada acontece.

Ajude-nos a responsabilizar quem comete estas afrontas ao serviço e bens públicos, pois tudo o que fazemos é por si e pelo ambiente.
Somente através de conceitos como o de Cidadania e Responsabilidade ambiental conseguiremos fazer do nosso habitat um lugar mais agradável para viver…

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.