Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Como fazer frente à Disfunção Erétil?

O que nos distingue

Voz à Saúde

2018-09-11 às 06h00

Joana Afonso

A Disfunção Erétil ou “impotência sexual” caracteriza-se pela incapacidade de obter ou manter a ereção peniana que permita uma atividade sexual satisfatória, por um período superior a 3 meses. Ocasionalmente, todos os homens poderão apresentar dificuldades ao nível da ereção, sendo tais episódios considerados normais, sem significado clínico.
Pode atingir homens de todas as idades, no entanto, é tão mais comum quanto maior o avançar da idade, sendo que, por volta dos 40-49 anos cerca de 29% homens apresentam Disfunção Erétil, um número que chega aos 74% na faixa etária dos 60-69 anos.
No nosso país estima-se que apenas 13% dos homens tenham sido diagnosticados, tratando-se de um tema ainda tabu, fazendo com que não procurem ajuda e o seu problema tenha tendência a agravar.
De salientar que, a Disfunção Erétil é ainda considerada um marcador de risco que pode antecipar um evento cardiovascular, como um enfarte agudo do miocárdio ou um acidente vascular cerebral, em cerca de 3 anos, pelo que, se for corretamente acompanhada poderá permitir a possibilidade de prevenir tais eventos, potencialmente fatais.

A ereção resulta da conjugação de diferentes fatores que envolvem a regulação cerebral, hormonal, nervosa e circulatória. Embora, anteriormente, as causas de Disfunção rétil fossem consideradas psicológicas, sabe-se, atualmente, que são as causas orgânicas e fisiológicas as principais responsáveis pelo aparecimento da doença. Assim, os quadros de diabetes, hipertensão arterial, obesidade, aterosclerose, tabagismo, alcoolismo crónico, doenças neurológicas, distúrbios hormonais, traumatismos e consumo de determinados fármacos surgem como as principais causas. Quadros de ansiedade, stress, cansaço ou depressão são apenas responsáveis por cerca de 10% de todos os casos diagnosticados.
O diagnóstico prende-se, na maioria dos casos, pela elaboração de uma história clínica e psico-sexual detalhadas, pela realização do exame físico, bem como pela avaliação analítica através da colheita de uma amostra de sangue.

Saiba que 90% dos casos de Disfunção Erétil são tratáveis, razão pela qual deverá consultar o seu Médico Assistente, ele saberá como orientá-lo. Tratamentos como medicação oral ou injetável, terapêuticas hormonais, bombas de vácuo, implantação de próteses ou aconselhamento psicológico estão disponíveis, no entanto, estes só poderão ser prescritos segundo aconselhamento médico sob o risco de se poderem tornar nocivos para a sua saúde.
A chave da prevenção da Disfunção Erétil passa pelo controlo dos fatores de risco citados, nomeadamente pelo controlo das doenças crónicas, pela evicção tabágica, pela moderação do consumo de álcool, pela prática regular de exercício físico, bem como pela avaliação médica periódica, razão pela qual deverá aconselhar-se com o seu Médico de Família.
Lembre-se, cuide de Si! Cuide da Sua saúde!

Deixa o teu comentário

Últimas Voz à Saúde

18 Dezembro 2018

Combater a DPOC

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.