Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +

Decifrados grupos sanguíneos de Neandertal e Denisovanos

Não somos um Rio

Decifrados grupos sanguíneos de Neandertal e Denisovanos

Escreve quem sabe

2021-10-12 às 06h00

António Piedade António Piedade

As linhagens extintas dos Neandertais e Denisovanos estiveram presentes em toda a Eurásia entre há 300 e 40 mil anos. Apesar da sequência de genomas antigos de cerca de 15 indivíduos Neandertais e Denisovanos realizada nos últimos anos, o estudo dos genes subjacentes aos grupos sanguíneos tinha sido até agora negligenciado. Contudo, os sistemas de grupos sanguíneos foram os primeiros marcadores utilizados pelos antropólogos para reconstruir as origens das populações de hominídeos, as suas migrações e a sua reprodução cruzada.
Num novo estudo publicado na revista PLOS ONE (https://journals. plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0254175), cientistas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS), da Universidade de Aix-Marseille, e do French Blood Establishment (EFS), ambos de França, examinaram os genomas anteriormente sequenciados de uma Denisovana e de três mulheres Neandertais que viveram entre há 100 a 40 mil anos, a fim de identificar os seus grupos sanguíneos e considerar o que estes podem revelar sobre a história evolutiva da espécie humana. Dos 40 sistemas de grupos sanguíneos conhecidos, a equipa concentrou-se nos sete geralmente considerados para fins de transfusão de sangue, os mais comuns dos quais são os sistemas ABO (que determinam os tipos de sangue A, B, AB, e O) e Rh.
Os resultados agora publicados reforçam as hipóteses anteriores, mas também oferecem novas surpresas. Enquanto se pensava há muito que os Neandertais eram todos do tipo O - tal como os chimpanzés são todos do tipo A e os gorilas do tipo B - os investigadores demonstraram que estes antigos hominídeos já apresentavam toda a gama da variabilidade ABO observada nos humanos modernos. Em análises extensivas cobrindo outros sistemas de grupos sanguíneos apareceram alelos que defendem as origens africanas para os Neandertais e Denisovanos.
Especialmente surpreendente é a descoberta de que os Neandertais possuíam um alelo Rh único ausente nos humanos modernos, com as notáveis excepções de um australiano aborígene e de um papuano. Será que estes dois indivíduos dão testemunho da reprodução cruzada dos Neandertais e dos humanos modernos antes da migração destes últimos para o sudeste asiático?
Finalmente, este estudo lança luz sobre a demografia Neandertal. Confirma que estes antigos hominídeos exibiam muito pouca diversidade genética, e que podem ter sido susceptíveis à doença hemolíti- ca do feto e recém-nascido (eritroblastose fetal) - devido à incompatibilidade materno-fetal Rh - nos casos em que as mães Neandertal transportavam os filhos de Homo sapiens ou de companheiros Denisovanos. Estas pistas reforçam a hipótese de que a baixa diversidade genética juntamente com o baixo sucesso reprodutivo podem ter contribuído para o desaparecimento dos Neandertais.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

19 Outubro 2021

A cor é Rosa!

17 Outubro 2021

Os acossados

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho