Notice: Error: Item of index 0 is not exists #0 /home/correiodominho/public_html/cronicas/detalhe.php(208): collection->get(0) #1 {main} in /home/correiodominho/public_html/headcap/system/collection.php on line 168
Endometriose – a dor no feminino - Correio do Minho

Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +

Endometriose – a dor no feminino

Tbilisi

Endometriose – a dor no feminino

Voz à Saúde

2022-04-26 às 06h00

Joana Afonso Joana Afonso

AEndometriose é uma doença crónica que afeta uma em cada 10 mulheres em idade reprodutiva. Caracteriza-se pela presença de tecido endometrial (o tecido que forra o útero) mas fora da cavidade uterina. Tal como no órgão original, este tecido cresce no início do ciclo menstrual, transforma-se depois da ovulação e descama durante a menstruação para se renovar no ciclo seguinte. Desta forma, com os sucessivos ciclos de crescimento e descamação, com consequente hemorragia, surgem os quadros de inflamação e fibrose e acumulação de coleções de sangue.
Em 90% dos casos a Endometriose atinge os órgãos pélvicos como a trompa, o ovário ou outras zonas do útero. No entanto, pode também atingir órgãos mais distantes como a bexiga, o intestino, o pulmão e até mesmo o cérebro. Localizações como o umbigo e a parede abdominal, sobretudo em cicatrizes como por exemplo a cicatriz de uma cesariana, também são locais que podem ser atingidos.

Os sintomas dependem muito do grau de invasão da doença e dos órgãos que ela afete. A principal manifestação é a dor. Trata-se de uma dor que se pode tornar muito incapacitante e com um forte impacto na qualidade de vida da mulher. Pode associar-se à menstruação e ceder, numa fase inicial, ao tratamento com uma pílula / anticoncetivo ou um anti-inflamatório. Pode também surgir ou intensificar-se aquando das relações sexuais.
A causa específica do aparecimento da Endometriose ainda não é conhecida. No entanto, são considerados como fatores de risco para a doença, entre outros: história familiar de parentes em primeiro grau com Endometriose; Gravidez em idade avançada ou não ter tido filhos; Aparecimento da primeira menstruação em idade precoce; Menopausa tardia.
De salientar que, em 20% dos casos, está associada a infertilidade.

O diagnóstico precoce é fundamental, uma vez que, quando não é conseguido, a doença tem tendência a progredir e invadir mais tecidos e órgãos do corpo. Parece também haver uma correlação entre a Endometriose e um subtipo de cancro do ovário, o que reforça, ainda mais, a necessidade de um diagnóstico o mais cedo possível.
O tratamento visa o controlo da dor e dos restantes sintomas através da toma de analgésicos, anti-inflamatórios, além do controlo hormonal. Poderá ainda ser equacionada a abordagem cirúrgica para remoção dos focos de doença.
Atualmente, não é possível prevenir o aparecimento da Endometriose, no entanto, a redução dos níveis de estrogénio no organismo poderá ter um efeito protetor. Através de métodos contracetivos adequados a cada mulher, da prática de exercício físico regular, da redução da massa gorda e da diminuição do consumo de álcool e cafeína, poderá ser possível o controlo da mesma. Não hesite em contactar o seu Médico Assistente, ele saberá como a ajudar.
Lembre-se, cuide de Si! Cuide da Sua Saúde!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho