Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +

Energia 2020

Sem paralelo

Ideias

2015-05-23 às 06h00

Vasco Teixeira Vasco Teixeira

Os objetivos da União Europeia (UE) em matéria de energia foram incorporados na “Estratégia Europa 2020” para um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo e na sua iniciativa emblemática “Uma Europa eficiente em termos de recursos”. A UE visa objetivos ambiciosos nos domínios da energia e das alterações climáticas para 2020: reduzir em 20% as emissões de gases com efeito de estufa, aumentar para 20% a quota das energias renováveis e melhorar em 20% a eficiência energética.

A eficiência energética constitui um dos objetivos centrais para 2020. A transformação do sistema de energia é uma responsabilidade perante as gerações futuras, mas também representa uma oportunidade de crescimento, desenvolvimento, emprego e competitividade na Europa.
A Comissão Europeia (CE) estabeleceu uma estratégia para uma energia competitiva, sustentável e segura: Energia 2020 que define as prioridades em termos de energia até 2020 e as ações a empreender perante os desafios decorrentes da necessidade de poupar energia, conseguir um mercado com preços competitivos e aprovisionamento seguro, impulsionar a liderança tecnológica e inovação energética, e negociar eficazmente com os parceiros internacionais.

A CE propõe-se centrar as suas iniciativas nos dois setores com maior potencial de poupança de energia: transportes e edifícios. A diretiva da CE para a promoção da utilização de energia proveniente de fontes renováveis estabelece que cada Estado-Membro deve assegurar que a sua quota de energia proveniente de fontes renováveis consumida por todos os modos de transporte em 2020 represente pelo menos 10% do consumo final de energia nos transportes.

Na prioridade ligada a “Realização de uma Europa energeticamente eficiente” tem-se 4 ações: Explorar os setores com maior potencial de poupança de energia - edifícios e transportes; Reforçar a competitividade industrial; Reforçar a eficiência do aprovisionamento energético; e quarta ação prevê o aproveitamento ao máximo dos Planos de Acção Nacionais para a Eficiência Energética permitem aferir da eficiência energética, incluindo indicadores e objetivos mensuráveis para monitorizar os progressos, tomando em consideração as situações iniciais relativas e as circunstâncias de cada país.

A estratégia energética da UE exige esforços significativos em termos de inovação tecnológica e investimento. Expandirá a liderança da Europa no domínio das tecnologias energéticas e da inovação. Promoverá um mercado dinâmico e concorrencial e permitirá melhorar a segurança e a sustentabilidade dos sistemas energéticos, da gestão de redes e da regulação do mercado da energia.

A estratégia nacional para a energia para 2020 constitui uma agenda de competitividade para os mercados energéticos e para a economia portuguesa, induzindo crescimento económico e reduzindo a dependência energética do país.
Os grandes investimentos em energias renováveis nos últimos anos fizeram de Portugal uma referência mundial neste setor, nomeadamente no que diz respeito à energia eólica. Portugal assumiu para 2020, no quadro dos seus compromissos europeus, uma meta de consumo de energia final de 31% a partir de fontes renováveis.

A aposta nas energias renováveis, para além da produção de energia, contribui para um crescimento sustentável. Os investimentos em energias renováveis contribuem para a promoção de um desenvolvimento territorial equilibrado criando oportunidades em regiões com um menor grau de desenvolvimento socioeconómico.

De facto, os setores associados à energia (como a indústria de moldes e ferramentas, os materiais avançados, os sistemas elétricos e eletrónicos ou os sistemas de informação) apresentam uma dimensão de inovação tecnológica elevada, e o seu desenvolvimento contribui para a diversificação e para a alteração do padrão de especialização do tecido industrial nacional. Os investimentos em energias renováveis também promovem um desenvolvimento territorial criando oportunidades em regiões com um menor grau de desenvolvimento socioeconómico.

As iniciativas e metas para o setor da energia renovável em Portugal estão também consagradas no “Compromisso para o Crescimento Verde”, documento estratégico que estabelece as bases para um compromisso em torno de políticas e objetivos que impulsionem um modelo de desenvolvimento capaz de conciliar o indispensável crescimento económico com um menor consumo de recursos naturais e com a justiça social e a qualidade de vida das populações.

O Compromisso para o Crescimento Verde estabelece 111 iniciativas e fixa 14 metas quantificadas para 2020 e 2030, com vários indicadores de progresso em 10 setores: água, energia, resíduos, turismo, agricultura, indústria, transportes, biodiversidade, cidades e mar. Um dos objetivos corresponde a aumentar o PIB verde a um ritmo de 5% ao ano e que as exportações nos setores verdes, ligados ao ambiente, tenham um crescimento de 5% ao ano.

No que se refere ao setor da energia apresenta como metas: i) Aumentar a produção de energia renovável (passando de 31%, em 2020, para 40%, em 2030, o peso de fontes renováveis no consumo final bruto de energia); ii) Fomentar o autoconsumo de energia, atingindo pelo menos 300MW, em 2020; iii) Estabelecer, no contexto europeu, o reforço das interligações energéticas, promover projetos de exportação de energias renováveis para cumprimento de metas europeias de países terceiros e posicionar Portugal como porta de entrada de Gás Natural Liquefeito na UE; iv) Promover a mobilidade elétrica.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.