Correio do Minho

Braga,

- +

Escrever futuro...

A velha e a muda

Escrever futuro...

Ideias Políticas

2020-02-04 às 06h00

Francisco Mota Francisco Mota

As linhas com que se traça agenda política na actualidade tem surpreendido as gerações instaladas no poder político. Arroga-se a renovação geracional, a necessidade de uma mudança de paradigma com o objectivo de resgatar a confiança dos eleitores, mas na prática com os actores de sempre e a vontade dos mesmos. Mas desde o fim de semana passado que o povo português acordou para uma nova realidade e com uma esperança reforçada no futuro, com a eleição do jovem, mas maduro, líder do CDS-PP Francisco Rodrigues dos Santos. Inacreditavelmente, foi um partido conservador, a iniciar a chicotada psicológica junto dos portugueses e a fazer voltar a acreditar numa nova direita capaz de se impor ao socialismo e ao comunismo instalado.

O CDS entra assim num novo ciclo político, com novos protagonistas, uma nova energia e com vontade de marcar a diferença na discussão do País e das famílias portuguesas. Ainda assim, há um árduo trabalho para construir as pontes necessárias entre as diversas sensibilidades e gerações. Os desafios são tão grandes, como tão grandes são as responsabilidades para tomarmos a percepção que um novo mundo nos espera fora da bolha partidária. Atitude é um pequeno pormenor que fará toda a diferença na hora de nos apresentarmos aos eleitores. Teremos de contar com todos, especialmente com humildade daqueles que tem de reconhecer a necessidade de iniciar o processo de transição, tendo a consciência, que apenas vingará, junto dos concidadãos, os políticos com pensamento estruturado, não aqueles que governam de improviso ou em cima do joelho, aqueles que têm ambição, mas não estão na política pelos lugares mas sim pela missão que lhes pode ser confiada na autarquia ou no País.

Os portugueses estão fartos da trica partidária, dos unanimismos instalados e dos pluralismos de fotografia. A crítica e a partilha de visões distintas é um factor decisivo no desenvolvimento do pensamento político e a abertura do partido à sociedade civil será o único meio de agregar e acrescentar valor no programa a que nos propomos.
A direita portuguesa vive um momento difícil de afirmação, espero que não aja uma tentativa suicida das estruturas locais, procurarem construir muros de retenção à nova liderança e aos novos protagonistas, porque dessa forma apenas estão a cavar o seu próprio funeral. Este é o momento de convergir numa estratégia conjunta Por Portugal!

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias Políticas

23 Junho 2020

Teletrabalhar

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho