Correio do Minho

Braga, sábado

Florestar Braga - um exemplo de ecopedagogia!

Investir em obrigações: o que devo saber?

Voz às Escolas

2014-12-01 às 06h00

Maria da Graça Moura

Mais de 250 alunos aceitaram o desafio da Câmara Municipal de Braga para reflorestar o Monte do Picoto, num gesto simbólico mas muito significativo de celebrar o Dia da Floresta Autóctone. As crianças compareceram no Picoto acompanhadas pelos professores coordenadores dos projetos Eco-Escolas, arregaçaram as mangas e ajudaram a lançar à terra sementes de azevinho, azinheira, nogueiras brancas, freixos e faias, nogueiras, carvalhos e sobreiros.

Este processo de reflorestamento do Monte do Picoto, uma área de encosta, demonstra um grande objetivo de impedir deslizamentos de terras e ajuda a combater a erosão do solo. Se for executado com a eficácia esperada é uma boa solução para reverter o desequilíbrio ecológico tão prejudicial ao meio ambiente. 

O projeto Eco-Escolas do Agrupamento André Soares, consciente da sua importância estratégica na construção de uma nova cultura de relação com a natureza, deu o seu contributo para esta iniciativa e tem vindo a desenvolver um excelente trabalho de sensibilização dos alunos para a necessidade da separação e tratamento de resíduos sólidos e líquidos e de promoção de ações, no âmbito da educação ambiental para a sustentabilidade.

Um dos grandes objetivos do projeto Eco-Escolas é o desenvolvimento do espírito de co-responsabilidade e de cooperação que leve cada aluno a não cruzar os braços face à complexidade das questões ambientais com que hoje nos deparamos. Por isso, estão previstas várias iniciativas que visam garantir a participação das crianças e dos jovens em ações, projetos, concursos e desafios que os envolvam na construção de uma escola e de uma comunidade mais sustentável.

Este projeto constitui um privilegiado meio de promoção da educação ambiental e assume-se como uma área transversal de formação cívica, ao abordar e refletir sobre um vasto conjunto de temáticas, articuladas com os conteúdos programáticos e experiências educativas que possibilitam aos alunos uma participação mais consciente na sociedade. Daí a importância de integrar conhecimentos, valores e capacidades que levem a comportamentos condizentes com um novo pensar.

Nesta perspetiva o projeto Eco-Escolas tem funcionado como o despertar de uma nova consciência solidária com a finalidade de formar alunos ambientalmente cultos, intervenientes e preocupados com a defesa e melhoria da qualidade do ambiente natural e humano. Acima de tudo, a grande meta deste projeto é contribuir para a literacia ambiental dos alunos.

Todos sabemos que hoje são as crianças que levam para casa a preocupação com o meio ambiente - a chamada ecopedagogia. Este conceito, ainda em construção, mais do que uma teoria educacional, é um modelo de civilização sustentável do ponto de vista ecológico, que implica uma mudança nas relações humanas, sociais e ambientais. Trata-se, portanto, de uma opção de vida por uma relação saudável e equilibrada com o contexto, com os outros e com o ambiente mais próximo, a começar pelo ambiente de trabalho, o ambiente escolar e o ambiente familiar. Daí que, no nosso entender, a ecopedagogia seja uma janela aberta para um novo paradigma educacional que conduza a uma visão mais holística, humana e ecológica da vida.

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.