Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +

Futuro do trabalho e trabalho no futuro

Regionalização e representação territorial

Futuro do trabalho e trabalho no futuro

Ensino

2019-03-27 às 06h00

Helena Sofia Rodrigues Helena Sofia Rodrigues

Com o aumento da concorrência no mercado de trabalho, o curriculum de uma pessoa não pode ser mais um simples acumular de formação. Cada vez mais se fala de novas tecnologias, e a inovação feitas neste últimos tempos tem sido feita, de forma a adequar as novas tecnologias à procura de novas funcionalidades/desejos do consumir (vejam-se os exemplos da Uber e da AirBnb).
Com uma simples procura no Google é fácil verificar que as previsões para novas profissões estão intrinsecamente relacionadas com atividades ligadas às novas tecnologias (como webdesigner; programador e cibersegurança; analista de bases de dados) ou atividades ligadas com o desenvolvimento pessoal do ser humano (tais como coaching, consultor de imagem, gestor de talentos). Se nas primeiras profissões a exigência das hard skills é fundamental para a sua boa execução, em todas as soft skills são a chave do sucesso para um futuro promissor.

As hard skills são as habilidades técnicas de um indivíduo; estas competências podem ser ensinadas na escola, em ações de formação e facilmente podem ser testadas e validas numa entrevista de emprego.
As soft skills são competências comportamentais e sociais de um indivíduo; caraterizam a forma como um indivíduo interage nos seus relacionamentos, seja com colegas de trabalho, seja na prestação de um serviço a um cliente. As soft skills envolvem emoções e intuições, pela que a sua avaliação e treino são mais difíceis de validar e quantificar. Exemplos de soft skills são pensamento crítico, criatividade, coordenação e negociação, inteligência emocional, resolução de problemas, flexibilidade cognitiva, espírito de equipa.

Se num emprego que envolva muitas rotinas, seja a nível físico com muitas rotinas, seja ao nível de cálculos e manipulação de grandes quantidades de dados, podemos facilmente ser substituídos ou apoiados por um robot ou um computador, é nas competências pessoais que ainda temos vantagens sobre as máquinas. Enquanto as hard skills são indispensáveis para a realização de um trabalho - porque existem conhecimentos técnicos que se têm de aprender – as soft skills irão garantir o sucesso do trabalho e, em última instância, o sucesso da empresa.
A maior parte dos empregos requer um bom relacionamento entre funcionários e que a comunicação entre eles seja fluída. Por isso, competências na área da inter-relação pessoal são essenciais. Além disso, consideram-se que apesar de serem difíceis de quantificar, são competências que podem ser transmissíveis, pois se temos algum elemento da equipa que é prestável e com um sorriso fácil, a tendência é que esse bem-estar se propague para o resto da equipa e se torne fácil haver colaboração entre todos.

Por último, estas soft skills são fundamentais quando estamos perante um emprego que requer relacionamento direto com o cliente. Saber ouvir, saber estar, compreender as necessidades do cliente e as frustrações pelo produto ou serviço prestado, é uma mais-valia para fazer alterações nos procedimentos e aumentar o grau de satisfação do cliente com a empresa.
Podemos programar um computador para enviar milhares de emails, Tweets, em determinadas horas, dias, de forma a poupar tempo e energia. Mas não deixam de ser meras ferramentas; cabe ao ser humano definir a estratégia global para dar significado às tarefas. Desta forma, qualquer trabalho que exija pensamento estratégico será provavelmente menos fácil de ser substituído por um computador. Um trabalho onde a criatividade e a imaginação possam ser uma mais-valia dificilmente podem ser trocados pela Inteligência Artificial. Um edifício necessita de muitos cálculos para ser suportado, e nada melhor que um computador para verificação desses cálculos; mas é o desafio da arte de construir algo diferente e belo que torna o ser humano indispensável no processo.

Trabalhar em equipa multidisciplinar para que todos possam cooperar para atingir o objetivo comum é a chave de sucesso para qualquer empresa; ter a capacidade de ter uma flexibilidade cognitiva – capaz de compreender uma realidade e adaptar-se rapidamente às novas situações – faz com que um indivíduo se torne indispensável nessa empresa.

Deixa o teu comentário

Últimas Ensino

24 Outubro 2019

O Elevador da Glória

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.