Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Guimarães, Capital Europeia da Cultura em 2012

As listas do Covid-19

Ideias

2010-11-18 às 06h00

Margarida Marques Margarida Marques

Depois de Lisboa em 1994, Porto em 2001, Guimarães será a terceira cidade portuguesa a tornar-se uma capital europeia da cultura. Em 2012, em conjunto com a cidade de Maribor, na Eslovénia, adquirirá o estatuto.
A iniciativa capitais europeias da cultura foi lançada em 1985 com Atenas. E desde o seu lançamento mais de 40 cidades obtiveram este título, criado por Melina Mercouri, antiga ministra da Cultura da Grécia, e Jack Lang, o seu homólogo francês, quando aguardavam o embarque num voo adiado devido ao mau tempo no aeroporto da capital grega.

25 anos depois, por ocasião do aniversário das capitais europeias da cultura, celebrado em Março desde ano, em Bruxelas, a comissária europeia para a educação, a cultura, o multilinguismo e a juventude, Androulla Vassiliou apelidou as capitais europeias da cultura 'como força motriz da criatividade, da criação de empregos, da inclusão social, da reabilitação e do turismo' e ' um dos eventos culturais mais reconhecidos na Europa'.

A iniciativa capitais europeias da cultura tem como objectivo a promoção da compreensão mútua entre europeus, através do intercâmbio cultural. A iniciativa representa também um momento importante na vida dessas mesmas 'capitais europeias da cultura' uma vez que há um grande investimento no património dessas mesmas cidades. Assim, a iniciativa não se limita ao ano em que a cidade se torna capital europeia da cultura. O seu impacto positivo prolonga-se por anos.

A 12 de Maio do ano passado, o Conselho da UE anunciou que Guimarães seria uma das duas capitais europeias da cultura de 2012. Mas este anúncio formal foi apenas mais um passo num processo que culminará no ano em que Guimarães será capital europeia da cultura. Um processo que tomará anos de empenho das administrações, dos municípios mas também da sociedade civil, organizações e cidadãos da própria cidade e claro, da Comissão Europeia que através de um painel de acompanhamento acompanha e aconselha as cidades de forma a assegurar o cumprimento dos compromissos acordados na fase de selecção. Se os compromissos forem cumpridos as cidades receberão da Comissão Europeia o prémio Melina Mercouri, no valor de um milhão e meio de euros.

Porquê investir tempo e dinheiro na organização destes anos culturais? As cidades podem obter múltiplos benefícios sobretudo de não se focarem apenas num programa anual de comemorações mas antes numa estratégia e empenho de um investimento cultural a longo prazo. Benefícios culturais, sociais mas também económicos, como o crescimento na indústria do turismo. Liverpool por exemplo estimou um aumento no turismo na ordem dos 25% em 2008, graças à visibilidade nacional e internacional desta iniciativa.

Em 2012 teremos o prazer e a conveniência de ter uma Capital Europeia da Cultura em Portugal. Será certamente uma oportunidade para revisitar Guimarães. Até lá, poderemos sempre espreitar as cidades de Turku (Finlândia) e Tallinn (Estónia), capitais europeias da cultura em 2011.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho