Correio do Minho

Braga, terça-feira

Já não tenho palavras para dar..., por André Filipe Sousa Araújo

“Novo tabaco” mata 600 mil crianças por ano

Conta o Leitor

2011-08-02 às 06h00

Escritor

Sinto que todos os dias vou perdendo palavras, essas consoantes ou vogais que se formam na minha boca, vão-se perdendo sem ninguém as encontrar, talvez surja o dia em que alguém com sua alma e tenra idade as capte, fico a espera, porque este a; este m; este o; e estas outras palavras que se formam em minha boca, ou melhor que se formam em meu coração estão a desaparecer, daqui a pouco sinto-me como se fosse uma espécie em desaparecimento.

Voltem, necessito de vocês, digam algo, escrevam algo, procurem algo, mas não desapareçam. Pelas manhãs procuro no meu dicionário para que possa constituir uma bela frase para dizer a quem a merece, mas essa frase nunca é dita, porque falta um receptor, ninguém me liga, ninguém me fala, ninguém me ouve, ninguém me lê, ninguém nada. Procuro escrever e dizer aquilo que sinto, procuro fazer sentir e ser sentido, mas nada...

Parece que como senão existisse, parece que como senão falasse, senão escrevesse, senão me fizesse entender, parece tudo e parece nada.
Lá do fundo surge do meu dicionário, frases belas que ninguém as quer ouvir, porque será? Já diziam as pessoas, quem quer ser ouvido tem que ser sentido, mas eu nem sou ouvido, nem sou sentido, minhas palavras são como algo congelado dentro de mim...

Tudo que eu escrevia, tudo o que eu sentia era para alguém me ouvir e sentir o que sinto, tudo que fazia, e faço são para que me vejam e que não passam em frente e me olhassem com uma parede, tudo tem um sentimento, tudo tem uma origem, tudo tem um fim, mas nada tem início, simplesmente um meio e um fim...

Cada palavra que é escrita é escrita com sentimento, com amor, com verdadeira força, costumo dizer que cada palavra tem um significado assim como cada texto, procuro dar ênfase e força ás palavras, com a ajuda de uma força extraordinária que se forma em mim, dei conta, sem fazer contas que não era necessário números para escrever, mas sim sentimentos, ninguém se dá ao trabalho de dar uma vista de olhos, ninguém se dá ao trabalho de falar para saber o que quero eu dizer com estas palavras, palavras estas que saem do meu coração para entrar no coração de alguém, esse alguém que tenta abrir o coração para que as minhas palavras possam entrar, nunca tem um início mas sim um meio e um fim, porque tudo que não tem início, tem sempre um fim, procuro palavras na escuridão, nesta escuridão de solidão e de fim, que me penetra dentro das minhas entranhas que ficam em redor de uma coisa chamada coração, de uma coisa que bombeia o ar que respiramos, de uma coisa que dá conta de nós sem utilizar qualquer objecto de conto e de divisão...

Estas palavras saem do vazio do nada, apenas ficam a espera de que alguém as tire um pouco de si, e procure ler estas palavras que saem do vazio, são uma mistura de metáfora com personificação, são palavras que choram, palavras que riem, palavras que por si dizem muito, mas que ninguém as ouve, para quê? Dizem...

Sim para que é que elas se dão ao trabalho de se manifestarem aqui e noutro lugar se ninguém as ouve, se ninguém as lê, talvez desistir, talvez desaparecer, talvez nunca mais escrever algo, sinto-me dentro de um escafandro, mas ao mesmo tempo uma borboleta, ninguém entende o que quero, ninguém consegue descobrir o que eu sinto, simplesmente porque ninguém se dá ao pequeno trabalho de ler as minhas palavras que saem deste escafandro, que saem desta caixa, deste vazio, elas querem correr a boca do mundo, deste mundo grande e belo, mas porque ninguém as ouve será que pouco têm esta capacidade de entender algumas palavras, estas palavras que não tem início, mas que tem meio e fim...

Quero que alguém as ouça, mas ninguém, gostava que alguém me ouvisse, que alguém me levasse daqui para fora e tentasse entender as minhas palavras que não achassem que estas palavras são uma simples chamada de atenção, mas sim que são uma forma de eu expressar aquilo que tenho, aquilo que sinto, aquilo que conquisto, aquilo que guardo no fundo mar da solidão será que as verdadeiras palavras têm algo em comum com os verdadeiros sentimentos, conheço todos os sentimentos, desde a felicidade até a tristeza, acredito que com várias palavras os podemos definir, mas acredito também que ninguém tem a capacidade de definir correctamente com palavras o que sente...

Quero pintá-las em alguém que as entenda, alguém que as compreenda, quero escrevê-las e dar a lê-las a alguém que as sinta como eu as sinto, alguém que as compre pelo que elas valem, alguém que as aceite dentro do seu coração, será que existe alguém que goste delas como eu, um simples amador que tenta escrever em forma de prosa textos com treze mil ou noventa mil palavras, que tenta colocar metáforas e comparações para que o texto se torne mais apelativo, mas mesmo assim este amador não consegue despertar a atenção de alguém que saiba compreender as minhas palavras como eu as quero fazer compreender, mas sim despertar a atenção de certas algumas pessoas que sabem dizer críticas e afirmar que os meus textos são plágio, estas palavras escritas aqui e noutros textos saem do meu coração do meu vazio no meu poço, do meu reservatório de palavras, porque eu só quero ter 'amor' para com elas e dar-lhes muito amor, porque são a minha melhor companhia são as minhas melhores amigas, porque sempre que necessito delas, elas estão aqui, no meu reservatório de palavras, porque eu uso-as e reciclo-as e têm sempre muito valor para mim, são como barras de ouro brilhantes, tenho pena é que ninguém ou quase ninguém as entenda, porque uma pessoa com um coração de ouro entenderia as minhas palavras...

Penso que ninguém lhes vai dar valor porque quem ler isto sentirá o que eu quero dizer, e vai fazer mover mundos e fundos para que alguém com um coração de ouro as queria escutar e as queira compreender, era capaz de escrever muitas mais coisas, mas já não tenho mais palavras para dar... Ficam as que aqui estão escritas e logo se verá se haverá reciclagem de algumas... Compreende aquilo que quero escrever...

Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2018

Ingratidão

30 Agosto 2018

Humanum Amare Est

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.