Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +

Neologismos tecnológicos

Granjear futuro

Neologismos tecnológicos

Escreve quem sabe

2020-04-19 às 06h00

Cristina Fontes Cristina Fontes

Neste tempo novo em que vivemos, a tecnologia tomou de assalto as nossas casas. Não é raro o dia em que não me depare com uma palavra estranha ou desconhecida.
Apesar de ser possível traduzir termos como “download – descarregar”, “e-mail – correio eletrónico”, “homepage – página de entrada”, não há dúvida que os anglicismos são muito mais comuns no léxico informático. No entanto, sempre que possível, sem prejuízo para a compreensão do conceito, devemos privilegiar o uso do vocábulo português:

• Sítio (site) – Sistema integrado de páginas alojado num servidor de Internet.
• Sala de conversação (chat) – um meio muito eficaz para comunicar por escrito, em tempo real, através da Internet, contrariamente ao que sucede com um fórum, que é assíncrono. Pode ser público ou privado, isto é, permite “conversar” com todos os elementos que participam, com apenas alguns deles ou ainda com uma única pessoa.
• Grupos de discussão (newsgroups) – Fóruns virtuais onde os participantes discutem um determinado assunto. Os grupos podem ser abertos e separados por assuntos, ou fechados, restritos a alguns participantes.  
• Correio eletrónico (e-mail: contração de electronic mail) – É a função mais utilizada na Internet. Permite escrever e receber mensagens e ficheiros.
• Em rede (online) – Diz-se que um computador está “em rede” quando está ligado a outros computadores, quer através da rede interna dum organismo, quer através da rede da Internet.
• Página de entrada (homepage) – Primeira página dum sítio na Internet.

Por outro lado, algum deste vocabulário é muito difícil, se não impossível, de traduzir para português, sem cair em purismos desnecessários. Eis alguns exemplos:
• Internet (International Network) – Consiste numa complexa rede mundial constituída por milhares de redes computadores ligados entre si.
• World Wide Web (Web ou WWW) – À letra “Teia de aranha mundial”. Conjunto de servidores distribuídos pelo planeta, ligados entre si.
• Hardware – Os componentes mecânicos, elétricos e eletrónicos de um sistema informático, por oposição aos vários programas que constituem o software.
• Software - Uma coleção de programas e procedimentos que tornam possível a execução de uma tarefa específica pelo computador, por oposição a hardware, os componentes físicos de um sistema informático.
• URL (Uniform Resource Locator) – Cada página na Internet possui o seu próprio endereço ou URL, que é único.

A França tem feito um esforço institucional para impedir o uso de termos anglo-saxónicos, obrigando os importadores de software (é incontornável o uso deste anglicismo) a traduzirem-no. No Brasil, foi criado “o movimento nacional da língua portuguesa” que traduz a preocupação com a descaracterização da língua portuguesa, procurando motivar a sociedade para reflexão em torno da influência dos estrangeirismos e neologismos veiculados pela Internet nessa descaracterização. Entre nós, foi criada, em 1989, a Comissão Técnica Portuguesa de Normalização de Terminologia Informática (CT 113), dentro do quadro do Organismo de Normalização Sectorial (ONS) para as Tecnologias de Informação. Desde o início, a CT 113 tomou como tarefa fundamental a criação de um vocabulário informático em português baseado na Norma Internacional ISO/IEC 2382 (Information Technology Vocabulary).

Contudo, alguns neologismos ligados à tecnologia já estão dicionarizados (ex.: twittar, clicar, postar, scanear, googlar, logar – in https://www.infopedia.pt/dicionarios/ lingua-portuguesa, acedido em 17-04-2020).
Uma das controvérsias do momento é saber se a expressão correta é “ensino a distância” ou “ensino à distância”.
Os linguistas dividem-se e apresentam alguns argumentos de peso.
Maria Regina Rocha considera que devemos escrever “à distância” (ver artigo completo em: https://bit.ly/2ykFepH); Teresa Álvares considera que devemos escrever “a distância” ver artigo completo em: https://bit.ly/2Vg4nee); Carla Viana também prefere “a distância” (ver artigo em: https://bit.ly/2Vg4nee); José Neves Henriques, por sua vez, prefere “à distância”: (ver artigo completo em: https://bit.ly/ 2RPFpA6).
Em conclusão, devemos adotar uma das formas e usar apenas essa.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

24 Novembro 2020

Habitação acessível (2)

23 Novembro 2020

Uma máquina consciente

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho